Tamanho do texto

Sobre os corpos dos que morreram, o clube ainda não sabe quando serão liberados

Em entrevista coletiva concedida nesta quarta-feira, os dirigentes da Chapecoense que não estavam no voo que se acidentou na Colômbia informaram que os três jogadores da equipe que sobreviveram à queda do avião - Alan Ruschel, Follmann e Neto, além do o jornalista Rafael Henzel - não correm risco de morrer.

Ouça:  Áudio mostra piloto da Chapecoense desesperado e pedindo para pousar

"O que nós recebemos de informação é que nenhum dos nossos atletas e o jornalista não correm risco de morte. A situação é crítica, mas não correm risco de morrer", disse o dirigente jurídico da Chapecoense , Luis Sergio Grochot.

Velório na Arena Condá

Já o vice-presidente do Conselho Deliberativo do clube, Gelson Dalla Costa, informou que ainda não há data para o velório coletivo dos jogadores. "Ainda está em fase de identificação de corpos. Nós não temos como afirmar em que data os corpos serão liberados para virem ao Brasil. A identificação está sendo facilitada por algumas situações. A falta de incêndio facilitar e a estrutura que temos aqui para ajudar na identificação digital", disse Dalla Costa.

Apenas três jogadores da Chapecoense sobreviveram
DIVULGAÇÃO/CHAPECOENSE
Apenas três jogadores da Chapecoense sobreviveram

"Aliado a isso, nós enviamos por parte da Chapecoense, seis médicos vinculados ao clube para ajudar na identificação. Mas, não temos como afirmar qual será a data que os corpos serão enviados para o Brasil", acrescentou.

Confira:  Sobreviventes do voo da Chapecoense relatam queda de luz e pânico

Ao explicar a logística, Dalla Costa informou que será feita pela Força Aérea Brasileira.
"Com relação a logística, aviões da FAB vão trazer os corpos. Nossa ideia é fazer um velório coletivo. Os corpos devem chegar aqui e daqui vão para outras regiões. Estamos pegando a autorização das famílias. Será um velório de algumas horas aqui porque torcedores da região querem se despedir e daí os corpos serão transferidos para as famílias fazerem as despedidas", disse.

E mais:  Bombeiro diz que havia 10 sobreviventes em avião da Chapecoense

A estrutura será montada para cerca de "100 mil torcedores" e todos os caixões serão lacrados. "O estado de Santa Catarina será quem preparará todo o cerimonial do velório", disse ainda. Na tragédia, 71 pessoas morreram e apenas seis sobreviveram.

O vice-presidente e atual presidente interino da Chapecoense, Ivan Tozzo, agradeceu pela solidariedade dos clubes de todo mundo e disse que o clube vai se reeguer assim como subiu "desde que estava sem série" para jogar.

    Leia tudo sobre: Futebol

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.