Tamanho do texto

Caso foi descoberto ao investigar ataque no clássico entre Juventus e Torino, ainda em abril de 2015. À época, cerca de dez torcedores ficaram feridos

Polícia da Itália encontra 'arsenal' bélico para torcidas de Juventus e Torino
Reprodução
Polícia da Itália encontra 'arsenal' bélico para torcidas de Juventus e Torino

A Procuradoria da cidade de Turim, na Itália, através de uma ação policial, encontrou um verdeadeiro arsenal de guerra, com fogos de artifício e explosivos em uma residência de Ospedaletto d'Alpino, em Avellino, região de Campânia, durante o final de semana, segundo informou o promotor local, Andrea Padalino, nesta segunda-feira.

LEIA MAIS:  Tinder, Snapchat, Facebook, Waze, Whatsapp. Aplicativos ganham camisa de futebol

A revelação foi feita durante uma audiência contra Giorgio Saurgani, acusado de ser o "promotor financeiro" de um ataque com uma "bomba caseira" antes do clássico entre Torino e Juventus, conhecido como "Derby della Mole", em homenagem ao nome de famoso prédio da cidade de Turim, pertencente ao Museu Nacional do Cinema (Mole Antonelliana), uma das maiores rivalidades da Itália , no dia 26 de abril de 2015.

LEIA MAIS:  Salto de penhasco tem um novo hexacampeão mundial; veja quem foi

Na época do incidente no ano passado, cerca de 10 torcedores do Torino ficaram feridos. As investigações das autoridades italianas apontaram que o artefato foi lançado do setor onde estavam os torcedores da "Velha Senhora" - apelido da Juventus - dentro do Estádio Olímpico de Turim.

Bombas caseiras

Segundo a polícia da cidade local, foram encontrados entre 10 quilos e 15 quilos de pólvora, aproximadamente, além de fogos de artifício, sinalizadores e outros materiais para fabricação de bombas caseiras na casa de um homem identificado como Emanuele A., de 30 anos de idade.

LEIA MAIS:  Confira 10 lugares no Brasil para se praticar esportes radicais

De acordo com a Procuradoria que analisa o caso, o "supermercado de bombas" foi encontrado após o depoimento de um torcedor, que tem a identidade mantida sob sigilo por questões de segurança. Ele indicou que Emanuele era um dos fornecedores de seu grupo, do qual Giorgio Saurgani fazia parte.

No entanto, o dono do "arsenal bélico" na Itália não era ligado a nenhuma torcida organizada em si, seja de Juventus ou Torino. Ele recebia os pedidos dos interessados de maneira online e revendia os produtos. Apesar da apreensão, o homem irá responder ao processo em liberdade. 

*Com Agência Ansa

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.