Tamanho do texto

"Talvez algumas pessoas não me respeitam porque sou negro. Mas eu não vou descer do nível que atingi", disse o camaronês em rede social

Eto'o atua no Antalyaspor. Ele reclamou de racismo nas redes sociais
Site oficial
Eto'o atua no Antalyaspor. Ele reclamou de racismo nas redes sociais

O atacante camaronês Samuel Eto'o foi afastado pela diretoria do Antalyaspor, seu time na Turquia, por tempo indeterminado. A decisão da alta cúpula do clube aconteceu depois de o jogador ter feito um comentário no seu Instagram sugerindo ser vítima de racismo dentro do próprio ambiente de trabalho.

E mais:  Cabañas diz que daria um abraço no homem que atirou em sua cabeça

"Talvez algumas pessoas não me respeitam porque sou negro. Mas eu não vou descer do nível que atingi", escreveu Eto'o, sem especificar de quem seria o possível ato de racismo . Depois, porém, ele tentou amenizar em uma outra mensagem dizendo que não visava o presidente do Antalyaspor, Safal Ali Ozturk.

Vale lembrar que, recentemente, Ozturk afirmou que "nenhum jogador está acima dos interesses do clube e que todos deveriam saber o seu lugar", referindo-se ao fraco rendimento do atacante no início da temporada.

Esta crise interna entre Eto'o e o presidente do Antalyaspor pode não ter relação com racismo. O mal-estar entre jogador e dirigentes do clube foi causado, principalmente, por conta dos fortes rumores de que o camaronês pudesse acertar com o Besiktas, de Istambul, na próxima temporada.

E mais:  Brasileiro deixa de pagar contas básicas para gastar com futebol, mostra estudo

Com passagens por Barcelona, Inter de Milão, Chelsea, Sampdoria, Everton, Anzhi e Mallorca, Eto'o chegou ao Antalyaspor em junho de 2015 e era visto como peça fundamental para ajudar o clube a atingir sucesso nacional e internacional, mas a atual temporada é fraca. O time soma apenas um ponto nas primeiras quatro rodadas do Campeonato Turco e o atacante de 35 anos pouco ajudou.

Luta contra o racismo

Como vítima de racismo desde seus anos atuando no futebol espanhol, Eto'o falou recentemente à rede norte-americana CNN sobre o assunto, contando como foi pego de surpresa na primeira vez em que foi vítima de preconceito no futebol. 

"A primeira vez que vivenciei racismo não foi em um campo de futebol, e a verdade é que não esperava que pudesse passar por isso em um campo de futebol. O fato de você sser um futebolista te faz pensar que isso não acontecerá com você, porque você traz paixão, expressa muita emoção. E, quando aconteceu comigo, eu não conseguia acreditar. Ronaldinho e Deco vieram até mim, dizendo: ‘Cara, se você sair, sairemos contigo’", disse Eto'o.

Veja:  Além da vida noturna, Neymar também se diverte nas mesas de poker

Apesar do episódio na Turquia, o camaronês admite que percebeu uma evolução dentro do futebol no combate ao racismo. "Você pode vencer a Champions League, pode vencer campeonatos, marcar gols, mas representar uma luta que afeta milhões e milhões de pessoas é algo único", comentou Samuel Eto'o.

    Leia tudo sobre: Futebol