Tamanho do texto

Jogadores treinavam no gramado no momento da invasão e não tiveram tempo de voltar ao vestiário. Michel Bastos e Wesley foram agredidos

Com dificuldades dentro de campo, o São Paulo também enfrentou problemas neste sábado (27) fora das quatro linhas. Em protesto contra a má fase da equipe, dezenas de torcedores invadiram o CT da Barra Funda, nesta manhã, na zona oeste da capital paulista. O clima foi hostil, e os jogadores Michel Bastos e Wesley foram agredidos.  

São Paulo emite nota de repudio a protesto

Rodrigo Caio descarta Hamburgo, quer Sevilla, mas não fará pressão

Torcida invade CT do São Paulo e faz cobrança aos jogadores e dirigentes
Agência Estado
Torcida invade CT do São Paulo e faz cobrança aos jogadores e dirigentes


Entoando cânticos em que pediam "respeito" ao time, entre palavrões, membros da  torcida  organizada invadiram o CT. "Ooooo, muito respeito com a camisa tricolor, filho da p…", esbravejava a multidão. Policiais e seguranças do clube tentaram conter os invasores, mas não conseguiram e o treino desta manhã teve que ser paralisado. Os torcedores carregavam bandeirões e vestiam as camisas das organizadas do time paulista. 

Torcedor fanático, Isaquias Queiroz recebe camisa autografada do Tricolor

O São Paulo vive uma fase complicada no Campeonato Brasileiro e não vence a duas rodadas. Além disso, foi surpreendido e derrotado pelo Joinville pela Copa do Brasil na quarta-feira por 2 a 1. O time catarinense disputa apenas a Série C. Já o Tricolor Paulista é o 11º colocado na tabela do Brasileirão, com 27 pontos, dez a menos que o Flamengo, primeiro na zona de classificação para a Copa Libertadores. 

No momento da invasão e protestos deste sábado, os atletas estavam no gramado e não tiveram tempo de voltar para os vestiários do centro de treinamento da Barra Funda. Muitos torcedores foram para cima do meia Michel Bastos e do volante Wesley , insultando-os e fazendo cobranças pelos recentes resultados ruins da equipe. O volante foi escoltado por um grupo para sair do gramado e, ainda assim, levou um chute , como mostra o vídeo publicado neste sábado no Twitter. Bastos também foi agredido. A assessoria de imprensa do clube confirmou a violência, mas não revelou detalhes sobre os atos.

O zagueiro Carlinhos também foi um dos alvos principais do protesto.


Os torcedores ainda abordaram diversos atletas, entre eles o volante Hudson e o zagueiro Lugano . O capitão são-paulino tentou acalmar os ânimos e conversou com os invasores. Vídeos feitos por um torcedor e divulgados nas redes sociais mostram o encontro, que aconteceu do lado de fora do CT.

"Ou fechamos aqui ou estamos todos f...", gritou o uruguaio capitão do time, no primeiro vídeo. Em seguida, Maicon aparece e fala que não se opõe à cobrança, mas critica a agressão aos colegas de equipe. "Agora precisamos do apoio de vocês. Vocês têm que cobrar mesmo, vocês têm o direito de cobrar, mas não é chegar lá dentro e bater em jogador não".

Logo depois, o defensor emendou chamando os torcedores que invadiram o CT para torcer pelo São Paulo no domingo, contra o Coritiba. "Eu quero ver é domingo, quero todo mundo lá amanhã", disse.

No segundo vídeo, o meio-campista peruano Cueva surge apontando para o escudo do time e dizendo: "muy grande, muy grande (muito grande)". Um torcedor fala logo em seguida: "você está com nós, você é f...".

Cunha provoca, mas vê benefícios ao Tricolor com avanços de rivais



Fim do apoio 

Para agravar a relação do time com a torcida, há dois meses, a diretoria do São Paulo deu fim ao apoio financeiro que fornecia às organizadas. A medida foi tomada por pressão de torcedores que não fazem parte das organizações. A reclamação se deu por conta dos benefícios recebidos pelos membros das organizadas, que causaram um tumulto após a eliminação do time na Libertadores para o Atlético Nacional, da Colômbia.

*com informações da Agência Estado