Tamanho do texto

Brasileira com apelido do eterno Rei do Pop brilhou nos gramados nos anos 1980 e 1990, jogou por 12 anos pela seleção feminina e foi aos Jogos de 1996

Michael Jackson durante a disputa do Campeonato Sul-Americano de Futebol; ela é a terceira agachada da esquerda para a direita
Arquivo pessoal
Michael Jackson durante a disputa do Campeonato Sul-Americano de Futebol; ela é a terceira agachada da esquerda para a direita

Mariléia dos Santos. Por esse nome talvez você não saiba de quem estou prestes a falar. Mas e se eu disser que essa carioca é ex-jogadora de futebol e marcou mais gols do que o rei Pelé? É isso mesmo. Mariléia, conhecida pelos fãs de futebol como Michael Jackson, é lembrada até hoje entre os fãs do esporte como uma das maiores da história.

LEIA MAIS:  Ronaldinho agora é tecnológico e tem até aplicativo de celular

Após um período de 38 anos sem poder jogar futebol (1941 a 1979), as mulheres puderam retornar aos gramados em 1983, e foi quando Michael Jackson começou. Na época, o astro da música estava no auge da carreira e, durante um treino, o eterno narrador Luciano do Valle disse que a até então ‘Mariléia’ seria uma grande atleta no futuro e a ‘batizou’ com o mesmo nome do Rei do Pop.

Michael Jackson, a ex-jogadora de futebol com mais gols do que Pelé
Reprodução
Michael Jackson, a ex-jogadora de futebol com mais gols do que Pelé

Jackson nasceu em Valença, no sul do estado do Rio de Janeiro, em 1963. É a mais nova entre 11 irmãos e já na infância se apaixonou pelo esporte mais praticado do país. Jogou nos campos de várzea da cidade onde nasceu por algum tempo, mas logo se juntou ao Esporte Clube Radar, do Rio. Lá ela despontou. Marcou 800 gols em seis anos e conquistou diversos títulos importantes, tornando-se uma das principais jogadoras de futebol feminino do Brasil.

Em 1990 se transferiu para o Saad. Lá foram diversas conquistas, como o hexa consecutivo da Copa São Paulo e o Mundialito de 1995. Nesse mesmo ano, Michael recebeu uma proposta do Torino, da Itália, e decidiu brilhar em campos do Velho Continente. Disputou o Campeonato Italiano e a Copa Itália e, apesar de não sagrar-se campeã, voltou com muita experiência e a língua italiana na bagagem.

LEIA MAIS:  Boliche nos Jogos Olímpicos? Um sonho possível de quem pratica

No seu retorno ao Brasil, em 1997, atuou pelo Corinthians, Tupy, Internacional, Vasco da Gama e Santos. Na equipe da Baixada Santista, como era de se esperar, recebeu o apelido de ‘Pelé do futebol feminino’. Foi escolhida pela Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol (IFFHS) como a terceira melhor jogadora do Século XX na América do Sul.

Seleção brasileira

A primeira seleção formada por mulheres foi em 1988 e lá estava ela. Participou ainda da Copa do Mundo da Fifa em 1991, a primeira na qual o Brasil marcou presença. Foi para mais um Mundial e entrou para a história ao fazer parte do primeiro time feminino em Jogos Olímpicos, que aconteceu em 1996, em Atlanta, ano que a modalidade foi inclusa no maior evento esportivo do mundo. Ao todo, foram 12 anos defendendo a camisa verde e amarela.

LEIA MAIS:  Boca Juniors, o maior carrasco dos times brasileiros na Libertadores

Michael Jackson trabalha no Ministério do Esporte
Divulgação
Michael Jackson trabalha no Ministério do Esporte

Carreira fora dos gramados

Após marcar incríveis 1574 gols,  Jackson se aposentou e trabalha atualmente no Ministério do Esporte, como Coordenadora Geral de Futebol Feminino Profissional. Em 2015, foi assistente pontual do técnico da seleção brasileira Vadão. E antes dos Jogos do Rio, conduziu a tocha olímpica.

Entre tantas histórias do universo futebolístico, a da Michael Jackson, sem dúvidas, é a prova de que o futebol feminino brasileiro tem o mesmo brilho dentro dos gramados do que o masculino, o que falta mesmo é um investimento fora deles.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.