Tamanho do texto

Santos, Corinthians e Fluminense são os poucos brasileiros que se deram bem em mata-matas diante do hexacampeão da Copa Libertadores

Riquelme em ação pelo Boca Juniors; ele é um dos principais carrascos dos brasileiros na Copa Libertadores
Reprodução
Riquelme em ação pelo Boca Juniors; ele é um dos principais carrascos dos brasileiros na Copa Libertadores

Club Atlético Boca Juniors. Quando o torcedor brasileiro houve falar nesse nome , principalmente durante as fases decisivas da Copa Libertadores, normalmente há um grande temor, isso porque o time argentino é um rival não muito agradável quando se trata do principal torneio de clubes do continente americano.

LEIA MAIS:  David Beckham: relembre a trajetória e assista dez golaços do inglês

Antes de qualquer coisa, destaco aqui os feitos de Santos, em 1963, e Corinthians, em 2012. Os alvinegros paulistas foram os únicos brasileiros que conseguiram derrotar o  Boca Juniors  em finais de Libertadores. O time da Baixada Santista venceu os dois jogos da decisão daquele ano, o primeiro por 3 a 2, no Maracanã, e o segundo por 2 a 1, em plena La Bombonera. Já a equipe do Parque São Jorge arrancou um empate por 1 a 1 na Argentina e venceu por 2 a 0 no Pacaembu. Entretanto, os vexames são muito maiores por parte dos brasileiros. Relembre:

Cruzeiro  - 1977

Após perder a final em 1963 para o Santos, o Boca voltou à final da Copa Libertadores em 1977 diante do Cruzeiro.  Foram três jogos para que fosse conhecido o campeão. Após vitória por a 1 a 0 dos argentinos em Buenos Aires e o triunfo dos mineiros pelo mesmo placar, houve um terceiro jogo em Montevidéu, no Uruguai. Empate sem gols no tempo normal e 5 a 4 para os Hermanos nas penalidades.

Corinthians – 1991

Antes do inédito título em 2012, o Corinthians enfrentou o Boca nas oitavas de final da Libertadores daquele ano e não se deu bem. Na Bombonera, vitória por 3 a 1 dos argentinos, já no jogo de volta, na capital paulista, empate por  1 a 1 e eliminação brasileira.

Flamengo – 1991

No mesmo ano, os argentinos enfrentaram e eliminaram o Flamengo. O confronto foi válido pelas quartas de final. O rubro-negro até começou bem, venceu por 2 a 1 jogando no Rio de Janeiro, mas na Argentina, o Boca fez 3 a 0 e liquidou a fatura. Na fase seguinte, diante do Colo- Colo, os xeneizes acabaram eliminados.

LEIA MAIS:  Ronaldinho agora é tecnológico e tem até aplicativo de celular

Palmeiras – 2000

Depois de conquistar o título em 1999, o Palmeiras chegou mais uma vez à decisão da Copa Libertadores, mas o que eles não esperavam é que teriam pela frente o bicampeão do torneio Boca Juniors. No primeiro jogo em La Bombonera, empate por 2 a 2, já na volta, no Morumbi, 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação e a decisão mais uma vez foi para os pênaltis. Asprilla e Roque Júnior não fizeram para os alviverdes, enquanto os argentinos converteram as quatro cobranças e chegaram ao tri.

Vasco – 2001

Atual campeão, o Boca era um dos favoritos da competição em 2001. Nas quartas de final, enfrentou o Vasco e não deu chances ao time carioca. Venceu por 1 a 0 no Rio e fez mais 3 em La Bombonera. E tinha mais naquele ano...

Palmeiras – 2001

O alviverde chegou à semifinal e teve pela frente, mais uma vez, os argentinos. Após dois empates por 2 a 2, a decisão foi para os pênaltis e, nas cobranças, o Boca levou a melhor e venceu por 3 a 2.

Paysandu – 2003

O confronto aconteceu pelas oitavas de final da competição. Na primeira partida, em Buenos Aires, o Papão surpreendeu e venceu por 1 a 0, gol de Iarley, mas na volta, em Belém, os argentinos golearam por 4 a 2 e avançaram às quartas.

O Boca Juniors venceu o Santos na final da Libertadores de 2003
ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEúDO
O Boca Juniors venceu o Santos na final da Libertadores de 2003

Santos – 2003

40 anos depois da final e o título perdido para o Santos, o Boca teve a ‘revanche’ diante dos paulistas. Em La Bombonera, vitória por 2 a 0, na partida de volta, no Morumbi, 3 a 1 para os argentinos com direito a gol de Tevez e o quinto título da Copa Libertadores estava garantido.

São Caetano – 2004

Comandado por Muricy Ramalho, o São Caetano, após o vice em 2002, viu pela frente nas quartas de final, um time pentacampeão e tradicionalíssimo, mas não fez feio. Foram dois empates, 0 a 0 em São Paulo e 1 a 1 na Argentina e, outra vez, decisão nos pênaltis. Vitória por 4 a 3 dos Hermanos de Buenos Aires.

LEIA MAIS:  Ibrahimovic e seu árduo caminho para ser o Deus de Manchester

Grêmio – 2007

Depois de eliminar São Paulo e Santos, o Grêmio se classificou a final e tentou o terceiro título do torneio diante do Boca, mas viu um Riquelme muito inspirado e poucas chances teve. Na argentina, com um gol do craque, outro de Palacio e o terceiro de Patrício, derrota por 3 a 0. Na volta, em Porto Alegre, Riquelme decidiu e marcou os dois da vitória por 2 a 0 dos argentinos, que calou o estádio Olímpico na ocasião.

Cruzeiro - 2008

No ano em que o grande campeão da Copa Libertadores foi a LDU, de Quito, o Boca fez mais uma vítima brasileira. Nas oitavas de final, foram duas vitórias dos argentinos por 2 a 1. Na semifinal, no entanto, o Fluminense fez bonito e eliminou os xeneizes.

Fluminense – 2012

O encontro entre os argentinos do Boca e brasileiros na Copa Libertadores de 2012 foi nas quartas de final. Na primeira partida, na Argentina, vitória por 1 a 0 dos donos da casa. No Rio, os tricolores venciam pelo mesmo placar até os 45 minutos do segundo tempo, quando Santiago Silva marcou e sacramentou a classificação de sua equipe à semi.

Corinthians – 2013

O reencontro dos dois finalistas de 2012 se deu já nas oitavas de final. Na argentina, vitória por 1 a 0 do Boca. Na volta, no Pacaembu, em partida polêmica, empate em 1 a 1, com Riquelme sendo o grande carrasco em mais uma oportunidade. Esta foi a última vez, até o momento, que os xeneizes fizeram um time brasileiro de vítima.

O Boca passou pelo Corinthians em 2013 em partida muito polêmica
J. F. DIORIO/ESTADÃO CONTEÚDO
O Boca passou pelo Corinthians em 2013 em partida muito polêmica

Se o Boca Juniors continuará com sua ampla vantagem em confrontos decisivos contra os times do Brasil na Copa Libertadores nós não sabemos, o que resta é ficarmos na torcida para que a rivalidade no futebol nunca morra e confrontos históricos como os aqui relatados aconteçam por muitos e muitos anos.