Tamanho do texto

A princípio, Atlético-MG iria mandar o duelo contra o Cruzeiro no Horto, mas terá que mudar de planos

Torcida do Atlético-MG no Independência. Mando do clássico é do Galo
Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro
Torcida do Atlético-MG no Independência. Mando do clássico é do Galo


O juiz Michel Curi e Silva, titular da 1ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Belo Horizonte, determinou, na noite de segunda-feira, a interdição do Estádio Independência. A decisão atendeu a denúncia realizada pela 17ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público.

O estádio é palco das partidas como mandante do Atlético Mineiro e do América Mineiro no Campeonato Brasileiro. E essa decisão deixa incerta a definição sobre o local de realização do jogo entre Atlético-MG e Cruzeiro, marcado para o próximo domingo, pela sétima rodada do torneio nacional, e que está agendado para o estádio. A direção do clube alvinegro ainda não se manifestou sobre uma mudança do palco da realização do clássico.

A promotoria apresentou ação civil pública com a acusação de improbidade administrativa, relativa ao período de reforma do estádio, e de dano ao tesouro público estadual. E o juiz decidiu acatar a solicitação.

Michel Curi e Silva também definiu que o Independência só poderá ser reaberto após o América Mineiro definir e apresentar um cronograma dos depósitos judiciais das rendas dos jogos para garantir o ressarcimento aos cofres do Estado.

Além de interditar o estádio, Michel Curi e Silva também determinou a indisponibilidade dos bens, até o valor de R$ 120 milhões, de Gustavo Corrêa, que era o secretário de Estado de Esportes na época, e de João Antônio Fleury Teixeira, Oizer Myssior e Gerson Barros de Carvalho, todos diretores Departamento Estadual de Obras Públicas no período de licitação da obra.

O juiz lembra no seu despacho que a previsão inicial, em 2009, era de que a reforma do Independência tivesse um custo de R$ 46 milhões. O valor final da obra, porém, foi de R$ 150 milhões.

A obra de reforma do Independência foi iniciada em janeiro de 2010, sendo concluída, após vários atrasos, em abril de 2012, quando o estádio voltou a receber jogos. Desde então, vem sendo palco da maior parte dos jogos como mandante de Atlético Mineiro e América Mineiro - o Cruzeiro também realizou partidas no estádio quando o Mineirão estava indisponível.