Tamanho do texto

"Food Stadium", projeto do jornalista e narrador Cadu Cortez, ensina o preparo das mais diferentes culinárias que envolvem o mundo do futebol, seja aqui no Brasil ou no exterior

Cadu Cortez com Joselito em um episódio do
Reprodução
Cadu Cortez com Joselito em um episódio do "Food Stadium"


Quem frequenta os estádios de futebol pelo Brasil e pelo mundo sabe que cada lugar tem um tipo de culinária diferente para saborear antes, durante e depois dos jogos, seja o famoso sanduíche de pernil paulistano, o feijão tropeiro mineiro, o "fish and chips" inglês ou o salsichão alemão de Munique.

Comida de porta de estádio é tradição. Mas e para quem tem vontade e não consegue se deliciar com os pratos específicos de cada local? Pensando nisso, o jornalista e narrador Cadu Cortez resolveu criar o " Food Stadium ", canal do Youtube que ensina o preparo das especialidades e quase sempre contando com a presença de convidados famosos.

E MAIS

Impulsionadas pela China, negociações atingem valor recorde no futebol

Dividido entre Brasil e Itália, filho de Amoroso começa a brilhar na Europa

"A ideia surgiu de um simples 'problema' que o diretor Guilherme De Lucca encontrou: a vontade de comer algumas comidas que só são vendidas em estádios e não ter onde. Ele descobriu que não estava sozinho, eu também tinha esse problema. Acabamos percebendo que mais gente poderia pensar da mesma forma e pronto! Tínhamos um projeto pronto pra sair do forno (sem trocadilhos, rs)", disse Cadu ao iG Esporte .

"Acertamos o que precisava ser acertado, gravações, formato do programa, recrutamos uma equipe de apoiadores (gente que confia muito nesse projeto e faz por amor) e quando percebemos, tudo já estava pronto! Depois disso fomos atrás de receitas e convidados que tinham algo a oferecer para o público", completou.

A equipe de produção conta com três cinegrafistas, um chef de cozinha e uma diretora de arte, além do diretor Guilherme De Lucca e do próprio Cadu, que é o apresentador. "Como gravamos aos sábados, procuramos dois convidados. Um boleiro e outro que não faça parte do universo esportivo tão diretamente, como por exemplo o Joselito ou o ator e diretor Warley Santana, que de certa forma transitam no esporte", contou.

Neto, ex-jogador de Corinthians e Guarani, foi o convidado da última edição:


As perspectivas do "Food Stadium" para o futuro, segundo Cadu, são as melhores possíveis, já que, de fato, atualmente não existe um programa neste formato, seja na TV ou na internet. "É descontraído, bem humorado, sem vícios e além de tudo com receitas que muita gente tem curiosidade. Se entrarmos em alguma TV será ótimo, se não, será ótimo também. A nossa ideia é fazer que todo tipo de público se interesse. Porque, afinal de contas, falamos de comida e esporte", comentou.

"Não tem uma pessoa que não se interesse pelo 'Food Stadium'. O público fica fascinado ao ver um Silvio Luiz soltando o verbo em mim (da falta de estacionamento pra parar o carro, a falta de cachê pra participar - tudo na base da brincadeira, claro, nada forçado), tomando o vinho da receita; um Joselito estraçalhando a batata que vai comer; o Adhemar contando as resenhas da época de jogador; o Neto sem papas na língua e metendo a boca nos jogadores atuais", acrescentou.

"Food Stadium" com o narrador Silvio Luiz:


Para tocar o projeto, precisa conhecer do assunto. E Cadu admite que é fã das comidas de estádio. "Pelo meu porte físico sim, né?! Sempre procuro experimentar algo típico. O pernil (em São Paulo) eu já devo ter experimentado de umas 19 maneiras diferentes. Um dos mais saborosos é o do Bigode, que ficava no Morumbi. Mas o de Santos, na Vila Belmiro, é maravilhoso também. Recentemente comi um na frente do Allianz Parque. Estava ótimo, apesar de mais gourmetizado. Tinha pimenta disso, daquilo... eu sou '"old school', no pão francês já está ótimo".

Além dos convidados famosos, o "Food Stadium" aposta também na interação com os internautas para alavancar um crescimento e revolucionar a linguagem desse tipo de programa. A ideia de Cadu Cortez é de que as pessoas também possam participar do projeto.

"Como? Por exemplo, o cenário será montado na medida que o programa for crescendo e de acordo com a colaboração da galera. Dessa forma: você tem aquela camiseta do time da época de escola, faculdade? Então entre em contato com a gente! Vamos colocá-la de cenário ao fundo. É sério! Ou foi pra Chapada dos Guimarães e descobriu que tem um time lá que fazem uma matula daquelas de boiadeiro? Manda as informações pra gente. Tentaremos recriar o prato. E por aí vai", finalizou.