Tamanho do texto

Marin, ex-presidente da CBF, será um dos investigados. Comissão será composta por 27 integrantes titulares

José Maria Marin ao lado de Marco Polo del Nero
Divulgação/CBF
José Maria Marin ao lado de Marco Polo del Nero

Uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) da Câmara dos Deputados vai investigar as denúncias de crimes cometidos por dirigentes da Fifa, entre eles o brasileiro José Maria Marin, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Juntamente com outros seis cartolas, Marin foi detido em maio do ano passado na Suíça, mas hoje cumpre prisão domiciliar em Nova York.

Leia mais

Jogos Olímpicos do Rio terão uma equipe somente com atletas refugiados

Ex-atacante do Sunderland é considerado culpado em caso de abuso sexual

Investigação feita pela Justiça dos Estados Unidos aponta para a existência de um esquema mundial de propinas e subornos relativo a comercialização de jogos e direitos de marketing de competições de futebol.

O pedido de criação da CPI foi apresentado pelo deputado João Derly (Rede-RS) e lido em Plenário na terça-feira (1º) pelo deputado Carlos Manato (SD-ES), que presidia a sessão. “A intenção é investigar os contratos, as denúncias de irregularidades nesses documentos, na escolha de países para amistosos com a seleção brasileira, até supostas denúncias de venda de escalação de jogadores”, afirmou João Derly.

A CPI será composta por 27 integrantes titulares e mesmo número de suplentes, que estão sendo indicados pelos líderes partidários. A data de instalação do colegiado ainda não foi definida.

No Senado, já funciona uma CPI, criada no ano passado, destinada a investigar a CBF e o Comitê Organizador Local da Copa do Mundo Fifa Brasil 2014 (COL).