Tamanho do texto

Dez anos após deixar clube para defender o Fenerbahçe, zagueiro volta ao clube para ser o novo líder do elenco

O zagueiro Lugano é apresentado pelo São Paulo
André Lucas Almeida/Futura Press
O zagueiro Lugano é apresentado pelo São Paulo

A espera enfim terminou e a torcida do São Paulo pode ver novamente o zagueiro uruguaio Diego Lugano vestindo a camisa do clube. Nesta segunda-feira, depois de muita expectativa o jogador foi apresentado a imprensa e concedeu entrevista coletiva.

Sem festa, a pedido do jogador, sua apresentação aconteceu na sala de imprensa do CT da Barra Funda, com a presença apenas de jornalistas e de alguns Sócios Torcedores.

Leia também:  Apoio a Sampaoli no Chile despenca após pedido para deixar seleção

A apresentação de seu retorno se deu de maneira bem diferente da primeira vez em que chegou ao São Paulo. Desconhecido, Lugano chegou ao clube em 2003 sem pompas e sob o rótulo de "Jogador do Presidente", uma vez que sua contratação foi feita por Marcelo Portugal Gouvêa sem o aval de Oswaldo de Oliveira.

Antes de iniciar a coletiva, o zagueiro já demonstrava toda sua felicidade ao vestir novamente a camisa do clube, sabendo da responsabilidade e do peso de sua contratação.

"É uma alegria, uma emoção e uma linda responsabilidade voltar a vestir o manto sagrado. A emoção é a mesma de quando cheguei há 13 anos atrás. Tenho um carinho enorme pelo São Paulo, pela instituição, pelos dirigentes, É a última fase da minha carreira e quero ajudar, quero ser eu mesmo no dia a dia", disse o zagueiro.

Ídolo da equipe, o jogador teve seu nome pedido pelos torcedores em diversas oportunidades nos últimos dez anos, mas sempre tinha sua contratação impedida pelo alto custo e depois, por vetos de técnicos e diretores. A situação mudou após a aposentadoria de Rogério Ceni, uma vez que este era o principal líder do elenco. Sem o goleiro, as portas estavam abertas para o retorno de Lugano.

Durante o tempo que passou longe do Morumbi, recebeu diversas propostas de clubes brasileiros, entre eles Grêmio, Internacional e Cruzeiro, mas sempre recusou deixando claro que o seu amor pelo clube só seriam capazes de trazê-lo ao Brasil para jogar pelo São Paulo.

"O dia que fui embora daqui, por tudo que vivi, sempre falei que no Brasil só jogaria no São Paulo. Em junho, o São Paulo não precisava de mim, era algo muito simples de entender. Sou muito grato ao São Paulo. Cheguei a seleção do Uruguai graças ao São Paulo. Minha família tem uma vida boa graças ao São Paulo. A maneira de retribuir era sendo fiel", afirmou.

Aos 35 anos de idade, o jogador não deve ser titular absoluto da equipe de Edgardo Bauza. Sofrendo nos últimos anos com problemas físicos e uma queda de rendimento, o zagueiro culpou o calendário brasileiro por adiar sua volta.

Leia também: Condenado por sonegação, ex-presidente do Bayern deixará cadeia em fevereiro

"Os últimos anos foram complicados, com algumas contusões difíceis, principalmente na época da Copa. Naquela época existia uma chance de voltar ao São Paulo, mas não me sentia pronto para voltar ao calendário assassino do futebol brasileiro. Não vim aqui para passear, quero corresponder a todos que confiam em mim", completou.

Abaixo do peso ideal, o zagueiro ainda não foi a campo desde que retornou ao São Paulo, de forma que ainda não existe uma data para a sua estréia. A expectativa é que ele viaje para o Paraguai com o restante da equipe para o amistoso contra o Cerro Porteño, mas o jogador não deverá atuar durante a partida.

Veja o momento em que Lugano vestiu a camisa do clube em vídeo do Fox Sports:

Veja mais vídeos do Fox Sports

LECO FALA SOBRE O INCIDENTE EM MOGI DAS CRUZES

Antes da apresentação de Lugano, o presidente do São Paulo Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, falou sobre os incidentes envolvendo uma organizada do clube durante a partida da equipe contra o Rondonópolis, pela Copa São Paulo de Futebol Júnior, em que a equipe venceu por 4 a 0.

No intervalo da partida, uma briga entre integrantes da própria torcida acabou gerando um confronto com a Polícia, que agiu com gás de pimenta e bombas de efeito moral.

"O São Paulo e sua torcida não estão satisfeitos com as coisas que aconteceram lá em Mogi. Fazem parte, infelizmente, de um fenômeno moderno, do estresse e das tensões sociais, e que nesta célula específica acabaram se mostrando ontem (domingo), de forma negativa", disse o dirigente.

    Leia tudo sobre: Futebol