Tamanho do texto

Gil e Paulo André substituíram Chicão e Leandro Castán, porém o time comandado por Tite continua com a defesa menos vazada da Libertadores

Zagueiro Gil chegou no início do ano ao Corinthians e tomou conta da posição
Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians
Zagueiro Gil chegou no início do ano ao Corinthians e tomou conta da posição

Campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes em 2012, o Corinthians se destacou pela força e eficiência de sua defesa. O time comandado por Tite foi o menos vazado na primeira fase da competição continental e não sofreu gols nos dois jogos do Mundial.

O Corinthians vai conquistar o bi da Libertadores? Opine!

Líder do grupo 6 da Libertadores em 2013, o Corinthians deu nova prova de sua eficiência, pois encerrou a primeira fase da competição novamente com a defesa menos vazada. Cássio sofreu apenas dois gols em seis partidas.

Leia mais: Corinthians se vinga, goleia a Ponte Preta e está nas semifinais do Paulistão

O desempenho da equipe e a fama da defesa competente continuam. Porém, a dupla de zaga mudou. Chicão e Leandro Castán eram os titulares na campanha vitoriosa no ano passado. Em 2013, Paulo André e Gil, recém-contratado, tomaram conta da posição. Chicão teve uma lesão no joelho e perdeu seu lugar no time e Castán se transferiu para a Roma, logo após o título da Libertadores.

“O Paulo André não jogou a Libertadores, mas está aqui com a gente faz bastante tempo. É bem entrosado com o time inteiro. Já o Gil acabou de chegar, mas parece que está aqui há uns dois anos já. Ele entrou muito bem e soube entender o nosso esquema, sem dificuldade nenhuma”, analisou Danilo Fernandes.

Além do melhor retrospecto na competição continental, o Corinthians fechou a primeira fase do Paulistão com 16 gols sofridos, em 19 partidas. Só a Ponte Preta teve defesa menos vazada do que o time de Parque São Jorge no estadual.

Veja fotos da dupla de zaga corintiana: 


O goleiro, que tomou a posição de Júlio César, e vem substituindo o lesionado Cássio na meta do Corinthians, foi criado na base do clube paulista e acompanha o desenvolvimento do esquema vencedor desde a chegada de Tite, em 2010.

Para Danilo, os méritos pelo bom desempenho da defesa corintiana devem ser dados a todo o grupo. “O nosso time é bem compacto e fechado. E a marcação começa lá na frente. Não são só os dois zagueiros, o Guerrero dá o bote lá no ataque, assim como o Emerson. Tem o Ralf e o Paulinho no meio que marcam forte também. Isso facilita e assim a gente fica mais tranquilo lá atrás”, afirmou o goleiro corintiano.

A zaga corintiana será novamente testada nesta quarta-feira, às 22h (horário de Brasília). O Corinthians encara o Boca Juniors , na Bombonera, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores.