Tamanho do texto

Os times brasileiros estão mostrando pouco futebol. Já faz tempo. Nosso jogo está um abismo de ideias. Pensam assim: quem fecha mais, ganha

Até o Palmeiras do técnico Felipão não está apresentando um bom futebol
Reprodução
Até o Palmeiras do técnico Felipão não está apresentando um bom futebol

Os técnicos brasileiros acham que futebol é receita de bolo. Colocam um pouco de tempero, de leite, de não sei o quê. Batem no liquidificador, esquentam e pronto: têm um time campeão. Na verdade essa mentalidade é extremamente idiota e mostra o abismo em que se encontra a qualidade do nosso futebol. Repare bem: se um tonto ganhar uma Copa do Brasil jogando com um jogador a menos - por opção, o campeonato inteiro - a maioria vai repetir a fórmula de sucesso. De "sucesso".

Leia também: São Paulo apenas empata com  o Red Bull

Se um dia alguém escalar um sujeito de 90 anos e ganhar, vai fazer moda. Colocar em campo um jogador com vontade absurda de fazer xixi e soltar nas calças, haverá babacas que creditarão suas vitórias por conta do xixi da sorte. E os times da primeira divisão vão copiar. E os da segunda. Da terceira. Da várzea. Os gringos estarão rindo da nossa cara, pensando: onde estão os brasileiros ? Esses não são os brasileiros. São idiotas consumindo lixo. Estamos batendo palmas para loucos dançarem. A música dos loucos está cobrindo nossa voz.

Quase todo mundo joga igual. O 4-2-3-1 ou o 4-1-4-1. Dois pontas. Dois ou três volantes. Um meia que não cria. E zero a zero. Um a zero, no máximo, em dia de sorte. Palmeiras , Santos, Corinthians e São Paulo não fizeram absolutamente nada no final de semana. O Peixe ainda escapa, tem feito diferente. Criamos um dialeto, um vocabulário, uma idiotice completa. Falamos em extremos, em terços do campo, em uma porrada de coisa que não dizem nada. O que diz é a pobreza que se vê. O desespero da bola resume tudo.

Leia também: Ver o futebol brasileiro virou tortura e castigo

Nós - eu, você e a bola - somos as principais vítimas. Times ganham jogando retrancados. Um a zero. O vencedor fica feliz da vida. Não enxerga a feiura e o deserto ao seu redor. Dizem que os apaixonados não são capazes de ver a feiura que está ao seu lado. E os próprios apaixonados podem ser horrorosos. É que o Brasil já teve equipes de beleza, leveza e talento. Hoje o nosso rosto é esse: preguiçoso, cheio de olheiras, quase dormindo. Assistir bocha é mais emocionante do que ver futebol. O brasileiro, evidentemente,

Leia também: Se Jardine fosse taxista, pedreiro ou treinador de futebol

Os técnicos estão mais preocupados em mostrar serviço pra imprensa. A imprensa está mais preocupada em saber mais do que os treinadores do que informar corretamente. E, possivelmente diante de tanta falta de ideias, é capaz de saber mais mesmo. Se um idiota for campeão colocando um atacante sem chuteiras, pode apostar: a maioria esmagadora de "professores" fará o mesmo. Pobres brasileiros . Se antes eu sorria quando a bola girava, hoje tenho vontade de ir ao banheiro. Estou apertado. Desculpa o desabafo. Já volto.

    Leia tudo sobre: Futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas