Tamanho do texto

Com gols de Coutinho e Neymar, Brasil venceu a Costa Rica pela segunda rodada do Grupo E na manhã desta sexta-feira (22); confira a análise

O brasileiro estranhamente detesta Neymar. Tudo bem: "o brasileiro" é muita coisa. Mas alguns grandes "pensadores do futebol" detestam Neymar. Reclamam em suas salas e cômodos das vezes que o craque se joga, chama a falta, dá um chapéu desconcertante.

Leia também: Após polêmica com VAR, Brasil marca duas vezes nos acréscimos e bate Costa Rica

Neymar fez o segundo do Brasil e decretou o 2 a 0 contra a Costa Rica
FIFA/ Divulgação
Neymar fez o segundo do Brasil e decretou o 2 a 0 contra a Costa Rica

Dizem que o camisa 10 não sabe jogar. Chuta mal, dribla mal, está machucado. Gritam em seus sofás que Neymar é chorão, mimado e mesquinho. Perdem suas vozes comendo amendoim e xingando o gênio. Suas vozes pouco contribuem para a pátria de chuteiras. Ainda bem. O fracasso de Neymar é a vitória da opinião de tanta gente.

O brasileiro detesta seus ídolos. Detesta Romário, detesta Ronaldo, detesta Pelé. Enaltece mais os defeitos do que as qualidades. Exalta as falhas e minimiza o talento. O brasileiro não valoriza o calado Rivaldo: o maior craque da Copa do Mundo de 2002. O brasileiro esqueceu Garrincha. Quase não sabe quem foi Clodoaldo. Condena o futebol bonito de 82. Esse tipo de brasileiro torceu demais para Gabriel Jesus falhar. Para Coutinho desperdiçar. Para Neymar sair. Mas ele foi infeliz nessa sexta-feira. O brasileiro foi infeliz. Não Neymar.

Leia também: Guerrero e outros jogadores choram em campo após eliminação do Peru

Neymar sofreu um pênalti claro e enfeitou, admito. Exagerou. Mas foi falta. Dentro da área. Neymar é gente. Estava nervoso com o jogo. Desesperado com a insistência da bola em bater na canela adversária e sair, em explodir na trave e não entrar. Neymar mais uma vez foi caçado em campo. E jogou com dor. Não estava em seu melhor momento físico e sentiu também ausência de ritmo de jogo. Willian errou quase tudo que tentou no primeiro tempo. Paulinho foi tímido. Jogou com vergonha. O timo todo sentiu. E melhorou no segundo tempo, quando Tite apareceu. Mudou as peças e o jeito de atuar.

Mas o brasileiro só via Neymar falhar. Ele vai dormir seu cochilo da tarde com toda raiva do mundo. O brasileiro detesta Neymar, mas não assume. E, por consequência, detesta Jesus, Coutinho e Casemiro. Está odiando Tite. O brasileiro vem falando desde os tempos de São Paulo que Casemiro é mascarado e nunca jogou nada. Que Alisson só é bonito, mas frangueiro. O brasileiro cansou de chamar Miranda de velho, Thiago Silva de chorão, Neymar de cai-cai.

Leia também: Torcedor argentino é proibido de entrar em estádios russos por conta de assédio

O brasileiro nunca foi tão costa-riquenho e tão suíço como nos últimos dias. Ele jamais vai admitir que Neymar está entre os melhores do mundo. O brasileiro detesta Neymar. Tem ódio puro. Prefere apontar o dedo do que bater palmas.

E aqui parece que é proibido gostar de Neymar : o único gênio brasileiro em atividade. Vocês vão ter de engolir.