Investigadores voltaram a analisar nesta terça-feira (28) os destroços do helicóptero que caiu na Califórnia , resultando na morte de Kobe e mais oito pessoas, inclusive sua filha. A busca agora é para descobrir o que ocasionou o acidente, segundo a Reuters.

Leia também: Kobe Bryant tinha acordo com esposa para que nunca voassem no mesmo helicóptero

Bryant arrow-options
CNN/REPRODUçãO
Kobe Bryant

Uma equipe com 18 membros do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes (NTSB), assistida por especialistas forenses do Departamento Federal de Investigação (FBI), começou a mapear o local dos destroços na última segunda-feira (27) com drones.

Leia também: LeBron James se despede de Kobe Bryant com promessa

Legistas do condado de Los Angeles einspetores do NTSB, disseram que encontraram os três primeiros corpos no local do acidente e estavam procurando por mais restos mortais das vítimas.

Autoridades disseram que vão permanecer no local ao longo de cinco dias para coletar evidências e que não esboçariam conclusões tão cedo, mencionando também que o helicóptero não estava equipado com uma caixa-preta que registrasse dados do voo.

Em um sinal de que a visibilidade limitada era de particular interesse para os investigadores, já que os relatórios indicavam condições de neblina, a integrante do conselho do NTSB Jennifer Homendy apelou ao público para que apresentasse quaisquer fotografias que pudessem ajudar a documentar as condições meteorológicas locais no momento do acidente.

Leia também: Última imagem em vida: Kobe Bryant estava com filha menor horas antes de morrer

No entanto, Homendy disse a repórteres que o tempo era apenas um fator. "Analisamos tudo em uma investigação: homem, máquina e meio ambiente. E o clima é apenas uma pequena parte disso", afirmou ela em uma coletiva de imprensa em Calabasas, na Califórnia.

    Veja Também

      Mostrar mais