Tamanho do texto

Considerado por muitos como o melhor jogador de basquete de todos os tempos, Michael Jordan marcou mais de 30 mil pontos durante a carreira

Michael Jordan 'voa' para fazer mais uma de suas enterradas
Divulgação
Michael Jordan 'voa' para fazer mais uma de suas enterradas

Seis títulos da NBA, cinco vezes escolhido o jogador mais valioso da temporada regular (MVP) e seis vezes o atleta mais valioso das finais da NBA. Esses são alguns dos atributos que credenciam Michael Jordan como o melhor jogador de basquete da história. Pelo menos na opinião da maioria dos fãs de basquete.

LEIA MAIS:  Romário, o gênio da área. Confira 5 gols inesquecíveis do "Baixinho"

Michael Jordan nasceu no Brooklyn, em Nova York e antes de se firmar nas quadras de basquete, jogou beisebol e futebol. Ainda na juventude, atuou pela Universidade da Carolina do Norte e se formou em geografia cultural. Marcou a cesta da vitória sobre a Universidade de Georgetown, o que lhe rendeu o Campeonato da NCAA de 1982. Com média de 17,7 pontos e 54% de aproveitamento nos arremessos, entrou para o NBA Draft de 1984 e foi a terceira escolha geral, feita pelo Chicago Bulls.

Sua primeira temporada em Chicago foi em 1984. Com média de 28,2 pontos e 51,5% de aproveitamento, foi escolhido para o segundo time do NBA All-Star Game. Na temporada 1986-1987, Jordan fez história e marcou mais de 3000 pontos em uma temporada, com média de 37,1 e 48,2% de aproveitamento. Além disso, se tornou o primeiro jogador da história a ter 200 roubos e 100 tocos em uma só temporada. 

Nas próximas três temporadas, o nova-iorquino superou os 30 pontos de média e seu aproveitamento foi superior a 50%. Pela primeira vez, levou o prêmio de MVP da temporada 1987-1988. Levou o Bulls às finais da Conferência Leste em 1988-1989 e 1989-1990, mas não foi o suficiente para  superar o forte Detroit Pistons.

Os primeiros títulos

Com uma média de 31,5 pontos e 53,9% nos arremessos na temporada 1990-1991, o ala-armador levou o prêmio de MVP novamente. No mesmo ano, o time de Chicado venceu 61 partidas na temporada regular e chegou à terceira final consecutiva do Leste contra o Pistons. Venceu e chegou à final da NBA contra o Los Angeles Lakers de Magic Johnson. Em cinco jogos, o Chicago liquidou a fatura e venceu pela primeira vez o maior campeonato de basquete do mundo. Jordan ainda foi escolhido o MVP das Finais.

LEIA MAIS:  Rio 2016: esperança de medalha, atletas menores de idade encaram "vida dupla"

Nas duas próximas temporadas, o Bulls dominou. Jordan foi novamente o MVP, em 1991-1992 e o mais valioso também das finais, diante do Portland Trail Blazers, em uma série que acabou 4 a 2 para o time do astro. O terceiro título veio na temporada seguinte, diante do Phoenix Suns. Com média de 41 pontos durante os jogos decisivos, Jordan foi o MVP das Finais pela terceira vez consecutiva.

Aposentadoria e retorno

No fim de 1993, Michael anunciou sua aposentadoria e chocou o mundo. Se aventurou no Chicago White Sox, time de beisebol, por conta do sonho antigo de seu pai,  assassinado em julho daquele ano. Em novembro de 1994, o  Bulls eternizou o número 23, antes usado por Jordan.

A reviravolta aconteceu em março de 1995, quando o jogador retornou à NBA. Ele ajudou muito na classificação da equipe de Chicago à semifinal do Leste contra o Orlando Magic, mas mesmo com uma média de 31 pontos por jogo na série, não evitou a eliminação.

Mais títulos

Em 1995-1996, Jordan manteve a média de mais de 30 pontos e levou o Chicago a segunda melhor campanha da temporada regular da história, com 72 vitórias e dez derrotas. Foi novamente o MVP da temporada regular e do All-Star Game. Nas finais daquele ano, o jogador foi escolhido pela quarta vez o MVP e ajudou seu time no triunfo por 4 a 2 contra o Seattle Supersonics.

Na temporada seguinte, mais um título do Bulls e mais uma vez Michael Jordan foi nomeado o jogador mais valioso das finais, desta vez contra o Utah Jazz. Ele ainda marcou o primeiro triplo-duplo no All-Star Game na história. Em 1997-1998,  foi eleito MVP pela quinta vez. Nas finais, diante do Jazz pelo segundo ano seguido, proporcionou momentos memoráveis. Levou o Bulls ao sexto título e foi escolhido o MVP das finais pela sexta vez,  recorde até hoje.

2ª aposentadoria e 2º retorno

Em 1999, Michael Jordan anunciou novamente sua aposentadoria. Mas no ano seguinte, se tornou co-proprietário e presidente de operações de basquete do Washington Wizards. Em 2001 voltou às quadras como jogador e ficou até 2003. Seu último jogo aconteceu em 16 de abril de 2003, na Filadélfia, onde foi ovacionado por 21.257 pessoas.

Seleção dos EUA

Jordan participou de dois Jogos Olímpicos e levou o ouro em ambos. Em Los Angeles, 1984, ainda como universitário, ele estava no time que venceu a Espanha na final. O segundo foi em Barcelona, 1992, onde ele liderou o 'Dream Team', considerado por muitos como o melhor time de basquete da história. Ele, ao lado de Ewing e Chris Mullin, são os únicos jogadores a ganharem uma medalha de ouro como amadores e como profissionais.

LEIA MAIS:  Parkour: esporte urbano de força, agilidade e poder da mente

Michael Jordan foi o cestinha da liga em 10 temporadas, maior ladrão de bolas em três oportunidades, é dono das melhores médias de pontos da temporada regular e playoffs, com 30,1 e 33,4, respectivamente, marcou mais de 32 mil pontos na temporada regular, além de 5987 nos playoffs. Melhor em diversos fundamentos, MJ não ficaria para trás no quesito 'enterradas'. Abaixo você confere dez jogadas maravilhosas e que traduzem muito bem o porquê do apelido de 'Air Jordan':


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.