Coronavírus deve afetar calendário da Fórmula 1 arrow-options
FORMULA 1 / Divulgação
Coronavírus deve afetar calendário da Fórmula 1

Ano passado, a Fórmula-1 anunciou a maior temporada de todos os tempos com 22 corridas. Porém, o surto do coronavírus , que se espalha pelo mundo, coloca em risco a realização de parte dos GPs, sobretudo os do Bahrein e do Vietnã, que acontecem na primeira parte do calendário. Os diretores da categoria marcaram reuniões para os próximos dias, na Espanha, a fim de solucionar a questão.

A F1 corre o mundo entre março e final de novembro com cerca de 2.500 pessoas em cada etapa e pode vir a ser um propagador do vírus em larga escala. Por isso, o GP da China, epicentro do coronavírus, que seria em 19 de abril já foi adiado. Os organizadores ainda não têm data de reposição definida.

No Vietnã, que relata apenas 16 casos confirmados, o governo fechou as escolas por um mês e bairros inteiros estão isolados. O país já anunciou que não permitirá a entrada de italianos. A Itália é o país mais afetado da Europa, com 320 casos registrados. A proibição de entrada para os italianos afeta direitamente o GP: Ferrari e Alpha Romeo não poderiam correr; algumas equipes não receberiam motores e a Pirelli não conseguiria entregar pneus.

No Bahrein, o problema é a logística de deslocamento até o país. O governo não quer permitir a entrada de pessoas que viajaram por Dubai ou Cingapura. Porém, uma semana antes a abertura da temporada será na Austrália, e quase todos os voos saídos de Melbourne passam pelos dois países citados acima.

A Austrália também tem tornado mais rigorosa a entrada de estrangeiros no país, mas não há previsão de adiamento da abertura da temporada. Das 22 corridas, em 16 delas há casos registrados de coronavírus nos respectivos países.

    Veja Também

      Mostrar mais