Tamanho do texto

Presidente da montadora italiana de veículos deixou bem claro que caso prossiga descontente com novas medidas propostas, vai deixar a F1

Sergio Marchionne, presidente da Ferrari
Reprodução
Sergio Marchionne, presidente da Ferrari

Descontente com o novo plano da Liberty Media para o regulamento da Fórmula 1 em 2021, o presidente da Ferrari deixou claro ser contra as medidas propostas. Além disso, caso as condições se mantenham desfavoráveis, Sergio Marchionne ameaçou deixar a elite do automobilismo mundial.

LEIA TAMBÉM: Campeão da Fórmula 1 revela que magnata britânico tentou "roubar" sua mulher

Durante uma teleconferência, o chairman da montadora de veículos italiana deixou claro suas preocupações e opiniões sobre as mudanças. "A Liberty tem algumas boas intenções com isso, um dos quais é reduzir o custo das equipes, o que é bom. Mas existem coisas que nós não concordamos", disse o presidente da Ferrari . "A Fórmula 1 é parte de nosso DNA desde o dia em que nascemos. Se mudarmos a caixa de areia a ponto de a caixa de areia se tornar irreconhecível, não quero brincar mais."

A empresa italiana é a única escuderia que faz parte da F1 desde o início na primeira temporada, no ano de 1950. Além disso, embora não vença nenhum campeonato desde 2008, é ainda a mais bem-sucedida. Com números recordes, a Ferrari possui 228 provas vencidas, 16 campeonatos de construtores e ainda 15 títulos de pilotos.

LEIA TAMBÉM: Rubens Barrichello vira motorista de Uber: "Não poderei acelerar como na F1"

Quando questionado sobre como se sentia por ser o responsável em retirar a escuderia da Fórmula 1, o diretor-executivo não hesitou: "Muitíssimo bem, porque estarei trabalhando em uma estratégia alternativa para tentar substituí-la. Uma mais racional, também", respondeu Sergio Marchionne .

LEIA TAMBÉM: "Por que não falam a verdade sobre Schumacher?", questiona ex-agente do piloto

Liberty Media na F1

Em janeiro de 2017, a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) aprovou a venda da das ações da Fórmula 1 para o grupo norte-americano Liberty Media. Essa era a última etapa burocrática necessária para a liberação da negociação, que se enrolava há algum tempo. Com isso, a organização foi autorizada a prosseguir com as compras das ações da CVC Capital Partners, que atualmente administra a Fórmula 1, categoria mais importante do automobilismo mundial. Pelo visto, caso o grupo se mantenha firme nas decisões futuras para a competição, pode ser que percam a parceira mais antiga, Ferrari.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.