Tamanho do texto

Malu Magalhães diz que foi contratada para escrever livro sobre romance de Adriane Yamin com o piloto, mas não recebeu integralmente pelo trabalho

ayrton senna arrow-options
Arquivo pessoal
Adriane Yamin com Ayrton Senna na década de 80

No mês passado, Adriane Yamin lançou o livro "Minha Garota" para contar sua história de amor com o ídolo  Ayrton Senna , morto no dia 1º de maio de 1994 em Ímola, na Itália, durante corrida de Fórmula 1. A obra foi publicada de maneira independente e sem editora, mas agora vem dando o que falar e não é pelas histórias contadas nas 678 páginas do livro.

Em contato com a reportagem do iG Esporte, a jornalista Malu Magalhães fez uma denúncia: o livro "Minha Garota" foi escrito por ela, e Adriane não pagou o valor total que foi acordado. Segundo a escritora, a ex-noiva de Senna a convidou para fazer o livro dela. "Eu fiquei interessada, porque era o Ayrton Senna , paixão do brasileiro, eu era fã e fiquei contente", contou.

Malu Magalhães%2C jornalista e escritora arrow-options
Arquivo pessoal
Malu Magalhães, jornalista e escritora

As duas então assinaram um contrato em que, segundo Malu, Adriane pagaria a cada etapa concluída. Ao todo eram cinco etapas. "Eu vi que teria muito trabalho, porque o livro estava do zero", explicou.

"Ela me mandou dezenas de áudios contando a história dela, contando as experiências dela, depois falou pra eu ir para São Paulo, me colocou num flat durante dez dias para eu entrevistar familiares, parentes que conviveram com o casal, os parentes também me passaram áudio, trabalhei que nem uma louca, mas gostando mesmo do trabalho, na boa fé de que, assim como eu tava fazendo meu trabalho bem feito, ela também cumprisse o dela".

Leia também: Vettel elogia Interlagos e Leclerc relembra inspiração em Ayrton Senna

Adriane pagou as duas primeiras etapas para Malu, mas na terceira pediu coisas que não estavam no contrato. "Quando chegou na terceira etapa, que eu já tinha voltado de São Paulo  e o livro estava praticamente pronto, ela já veio com outro papo, de que eu teria, além de fazer os textos, manipular e inserir fotos no livro e colocar legenda", contou.

Por estar "envolvida" com o projeto, Malu topou. "Manipulei 700 fotos do Ayrton Senna, do casal, editando, legendando, muito trabalho e a etapa, que era pra ser cumprida em menos tempo, se alongou por causa do trabalho extra e ela não pagava", contou.

Adriane Yamin e o livro arrow-options
Arquivo pessoal
Adriane Yamin e o livro "Minha Garota", que conta a sua história com Ayrton Senna

"Quando acabei de entregar a terceira etapa com as fotos e todo o material e o livro praticamente pronto, ela mandou uma notificação dizendo que não ia dar continuidade ao trabalho, por má qualidade. Meu mundo caiu, meu mundo desmoronou", completou.

No total, Malu recebeu R$ 10 mil, referente às duas primeiras parcelas do acordo. O total assinado é de R$ 25 mil, sendo que as três parcelas restantes somam R$ 15 mil, que é o valor do calote.

Adriane Yamin chegou a abrir um financiamento coletivo online visando arrecadar R$ 252 mil para publicar o livro de forma independente ( confira aqui ) - mas conseguiu apenas R$ 398, o que não chega a1% do valor total pretendido.

"Ela pediu esse dinheiro, mas as pessoas não se interessaram. Então ela provou, por esse site de vaquinha, do financiamento coletivo, que ela teve os R$ 252 mil para editar de forma independente. Então ela provou que teve o dinheiro para fazer um livro no Brasil, que está muito caro. E não teve os R$ 15 mil para me pagar", avisou a jornalista.

Adriane Yamin com Ayrton Senna na década de 80 arrow-options
Arquivo pessoal
Adriane Yamin com Ayrton Senna na década de 80

O iG Esporte teve acesso a alguns documentos e conversas que comprovam esse compromisso, assinado e reconhecido em cartório (veja as fotos do contrato ao final da reportagem).

Em um trecho de uma conversa de WhatsaApp de abril de 2018, Malu Magalhães e Adriane Yamin falam sobre o trabalho:

  • Malu : Preciso saber se vou receber os áudios. Por favor, respondam se haverá continuidade no contrato
  • Adriane : (áudios anexados)
  • Adriane : Então você deve ter muito o que fazer! Quando terminar de organizar tudo me mande. Assim poderei enviar outros áudios

Já na conversa com uma advogada de Adriane Yamin, em maio do ano passado, Malu faz cobrança do restante do dinheiro assinado em contrato:

  • Malu : Eu também gostaria de pedir um adiantamento em relação à terceira parcela do contrato
  • Advogada de Adriane : A Adriane pegou uma infecção e está de cama, tentando se recuperar
  • Malu : Poxa, eu não sabia
  • Advogada de Adriane : Malu, estamos concluindo ainda a fase. Mas falamos depois
  • Malu : Sim, eu sei. Mas de qualquer forma já tem 50 dias que eu não recebo, isso prejudica a minha vida
  • Advogada de Adriane : Você recebe para fazer o trabalho, ou seja, você recebe e faz... e não o contrário... faz e depois recebe
  • Malu : Não importa a ordem dos fatores ao meu ver
  • Advogada de Adriane : Importa sim
  • Malu : O que importa é que o contrato está todo furado em relação a prazo e isso impacta no pagamento
  • Advogada de Adriane : Pode ler o contrato. Bom Malu, falamos em um momento oportuno... agora eu não posso
  • Malu : A grande questão é a seguinte, já tô 50 dias sem receber e tenho trabalhado. Então se esse prazo se estender além desse 50 dias, 60, 70, não vou receber durante 60, 70 dias, aí eu acho que foge do bom senso

Vale ressaltar que o contrato foi firmado com Malu sendo "ghostwriter" (ou "escritor-fantasma"), que consiste na pessoa que, tendo escrito uma obra ou texto, não recebe os créditos de autoria, ficando com a pessoa que contrata o trabalho, que no caso é Adriane Yamin.

"Só que ela descumpriu o contrato no principal que é a contraparte financeira. Perdeu o direito de se intitular autora", avisou Malu.

O livro " Minha Garota " foi lançado no último dia 28 de novembro e Malu espera receber o que, segundo ela, é seu por direito. "Ela lança o livro, dizendo que o livro é dela, só que não é, nunca foi. Ela me pagou menos da metade do contrato e agora está como se fosse dona da história, ela não é dona da história, ela não sabe escrever", explicou.

"Eu deixei de trabalhar para outras pessoas, eu tenho um nome a zelar, eu tenho contas a pagar e eu deixei de trabalhar pra outros clientes, me envolvi nesse projeto", completou ela, que se envolveu tanto, que teve uma visão de Ayrton Senna entrando no seu quarto em uma madrugada. "Foi muito humilhante, eu não precisava passar por isso".

Confira fotos da carreira de Ayrton Senna na galeria abaixo:

Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio e autora do livro "Bem-vindo ao Inferno", Malu agora vai entrar com uma ação contra a ex-noiva de Senna, inclusive porque, de acordo com Malu, Adriane usou o trabalho que a escritora já havia feito, mesmo com o distrato assinado, caracterizando o plágio.

Leia também: Pietro Fittipaldi vai pilotar Lotus-85 de Ayrton Senna em evento

"Eu tinha uma admiração pela Adriane, me sentia muito orgulhosa de trabalhar pra ela, fiz um trabalho bonito, modéstia à parte, porque me envolvi emocionalmente com a história, principalmente por gostar do Ayrton Senna ", finalizou Malu.

A reportagem do iG Esporte entrou em contato com Adriane Yamin para ouvir a sua versão sobre esse caso, mas, por meio da sua advogada, a ex-noiva de Senna decidiu que não vai falar do assunto.

contrato arrow-options
Reprodução
Contrato firmado entre Malu Magalhães e Adriane Yamin


contrato arrow-options
Reprodução
Contrato firmado entre Malu Magalhães e Adriane Yamin


contrato arrow-options
Reprodução
Contrato firmado entre Malu Magalhães e Adriane Yamin


contrato arrow-options
Reprodução
Contrato firmado entre Malu Magalhães e Adriane Yamin


contrato arrow-options
Reprodução
Contrato firmado entre Malu Magalhães e Adriane Yamin


contrato arrow-options
Reprodução
Contrato firmado entre Malu Magalhães e Adriane Yamin


contrato arrow-options
Reprodução
Distrato entre as partes