Tamanho do texto

Funcionário do time de Lewis Hamilton saíram ilesos, mas tiveram relógios e carteiras roubadas no caminho do aeroporto para o hotel no México

O GP do México de Fórmula 1 , marcado para domingo (30), começou com uma grande susto para a equipe Mercedes . Nesta semana, um funcionário que trabalha com Lewis Hamilton foi vítima de um assalto à mão armada. 

"Precisamos que alguém como Hamilton ganhe o título", diz chefão da F1

Membro da Mercedes é vítima de assalto no México
Reprodução/Instagram
Membro da Mercedes é vítima de assalto no México


O assalto aconteceu na quarta-feira, quando o homem ia do aeroporto para o hotel, na Cidade do México. Segundo informações do jornal britânico "The Guardian" deste sábado (29), dois homens armados pararam o carro que levava o funcionário. Nem o membro da Mercedes ou o motorista estavam usando uniforme da escuderia. 

Ninguém se feriu, mas os assaltantes levaram as carteiras e os relógios do funcionário da Mercedes e do motorista. Apesar o susto, ele continua no México para acompanhar a escuderia e Lewis Hamilton na corrida. Segundo porta-voz da equipe, os dois estão bastantes abalados. 

A programação para o Grande Prêmio do México segue sem alteração. A corrida está marcada para a tarde de domingo, às 16h no horário de Brasília. Os pilotos da Mercedes Nico Rosberg e Lewis Hamilton seguem em um duelo acirrado pelo título. O alemão lidera a tabela com nove vitórias e 331 pontos conquistados. Já o inglês venceu sete corridas na temporada e soma 305 pontos na classificação geral. 

“Não há por que desistir nesse momento. Eu ainda não perdi nada”, afirmou Hamilton

Segurança no México

De acordo com um guia do governo britânico, crime e violência são considerados problemas sérios no México. Há uma orientação de manter vidros fechados e carros trancados no trânsito, principalmente de parar no semáforo. 

Ayrton Senna ganha museu a céu aberto em São Paulo após 25 anos do tri

Outros casos na Fórmula 1

Esse não foi o primeiro caso de crime na Fórmula 1. Em 2010, em São Paulo, Jeson Button foi ameaçado com uma arma. O piloto inglês, que era o companheiro de Hamilton na McLaren na época, estava voltando para o hotel depois do treino de classificação para o GP do Brasil quando teve o carro cercado por, pelo menos, três homens que carregavam armas. 

Button estava com o pai, que já faleceu, o treinador Mike Collier e o gerente Richard Goddard. Ele conseguiu escapar com o carro do local e ninguém se feriu no incidente. 

Na mesma tarde, três engenheiros da Sauber também foram vítimas de assalto à mão armada. Nesse caso também ninguém se feriu. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.