ANÁLISE: Apático, Corinthians não pode deixar soberba tomar conta do time em sequência de decisões
Rafael Marson
ANÁLISE: Apático, Corinthians não pode deixar soberba tomar conta do time em sequência de decisões


Vítor Pereira admitiu que os jogadores do Corinthians não entraram ligados o suficiente para a partida contra o Atlético-GO . O que se viu do Timão no Antônio Accioly foi uma equipe apática, sem o menor senso de urgência e com o pensamento de que a qualquer momento um gol surgiria.

+ Vera é o 16º! Veja os reforços do Corinthians na 'era Duílio'

A escalação do técnico português se mostrou confusa para a ocasião e adversário, o coletivo esteve muito abaixo e os jogadores no geral erraram diversos gestos técnicos.

Assim como fez na vitória por 3 a 1 sobre o Coritiba, na décima oitava do Brasileirão, Vítor Pereira optou por um meio-campo versátil, Willian tendo liberdade para circular pelos lados do campo e Yuri Alberto e Róger Guedes formando a dupla de ataque.

O trio de meias, formado por Cantillo, Du Queiroz e Maycon, deixou a desejar especialmente na transição defensiva. Em diversos momentos, o Dragão acelerava a troca de passes ou iniciava um contra-ataque com muito espaço no meio do campo.

Na frente, Willian não conseguiu ganhar a maioria das jogadas individuais, e a parceria entre os camisa Yuri e Guedes no ataque foi nula. Os dois se movimentavam, mas não dialogavam entre si e comprometeram defensivamente.

Na defesa, setor mais prestigiado do time na temporada, Piton jogou colado na linha lateral e quase sempre esteve fora de posição. Dudu aproveitou o espaço cedido pelo camisa 6 corintiano e cruzou para Jorginho abrir o placar. Além do lateral, Róger Guedes e Cantillo demoraram na marcação.

+ TABELA - Veja datas e horários dos jogos da Copa do Brasil

O marasmo de ideias se refletiu nos números. O Corinthians deu apenas um chute ao gol nos 90 minutos, e ele veio no final do primeiro tempo, com Willian.

Sem medo de mudar após o intervalo, Vítor Pereira diagnosticou os problemas e voltou com Giuliano e Adson. As mudanças surtiram efeito positivo nos primeiros 20 minutos do segundo tempo. A dupla se entendeu bem com Fagner, fazendo tabelas e triangulações.

Na metade do segundo tempo, o treinador corintiano colocou Rafael Ramos e Fausto Vera. Os estrangeiros no entanto entraram na mesma rotação morna do restante do elenco.

Com a bola mas sem conseguir chutar, o Timão parecia confortável com a desvantagem de um gol, mas a bola pune. Novamente em falha na transição defensiva, Léo Pereira aproveitou o espaço dado por Rafael Ramos e acertou lindo chute no ângulo.

Se o Corinthians pensa em avançar de fase na Copa do Brasil, os jogadores e a torcida podem se inspirar no rival da Libertadores. Ao chamar os flamenguistas para tornar o Maracanã um inferno, Gabigol acendeu uma chama que parecia apagada no Flamengo contra o Atlético-MG.

Vítor Pereira na coletiva e Cássio na entrevista pós-jogo deram o recado, resta ao elenco entrar focado e a torcida tornar a Neo Química Arena um caldeirão.

No próximo mês, o Timão irá decidir o seu destino nas duas competições mata-mata e ainda tem um duelo contra o Palmeiras no Brasileirão, que pode ser fundamental para o campeonato. Para seguir sonhando com taças, o Corinthians precisa usar a derrota contra o Dragão como aprendizado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários