Com número crescente de parcerias, mercado de eSports se aproxima cada vez mais dos esportes tradicionais
Lance!
Com número crescente de parcerias, mercado de eSports se aproxima cada vez mais dos esportes tradicionais


O mercado de esportes eletrônicos segue em ascensão e em contato com áreas de audiências consolidadas e públicos distintos. De acordo com a Newzoo, consultoria especializada no ramo, o setor faturou, em 2021, US$ 1,08 bilhão, um aumento de 14,5% após os efeitos da pandemia em 2020. A expectativa para a indústria se mantém otimista, com estimativa de taxa de crescimento anual, contabilizando de 2019 até 2024, de 11,1%, um faturamento total de U$ 1,6 bilhão.

Pelo alto poder lucrativo, o mercado global de eSports passou a dialogar nos últimos anos com esferas dos esportes tradicionais, da moda e a cultura geek. Uma prova desse sucesso é o aumento de clubes de esportes tradicionais como Flamengo, Corinthians, Cruzeiro e Santos investindo nos eSports e em alguns casos com conquistas importantes nas mais diversas competições desse segmento.

Outro exemplo no futebol envolve Garena e CBF, que firmaram um acordo de dois anos. A parceria engloba a inserção de itens exclusivos da Seleção Brasileira no game Free Fire, bem como a exposição da marca em placas de publicidade nos campos de treinamento da Seleção, backdrop de entrevistas e artes dos ingressos.

Para Armênio Neto, especialista em novos negócios no esporte e que intermediou o contrato entre a empresa e a entidade esportiva, esse tipo de vínculo abre um novo leque de opções no mercado e gera ganhos para ambas as partes.

“Patrocinar futebol é um atalho para tornar qualquer produto ou marca altamente popular. Free Fire já era um gigante do cenário gamer e o patrocínio à Seleção, ainda mais em ano de Copa do Mundo, serve para mostrar a sua força, impactar novos públicos e gerar receita relevante com a venda de skins. A CBF, por sua vez, se aproxima de um universo que mostrou, definitivamente, a sua potência nos anos de pandemia. O ineditismo de ser patrocinado por um game, que aparentemente não possui nenhuma relação com o futebol, abre novas possibilidades de negócio e aproxima a Seleção de um público diferente, jovem e com alto poder de consumo”, afirma Armênio Neto.

As organizações de eSports também reconhecem a influência na participação de ativações dentro dos esportes tradicionais. A FaZe Clan, dos EUA - uma das organizações mais tradicionais dos esportes eletrônicos que no Brasil investe um time de Rainbow Six Siege - firmou parceria com o clube inglês Manchester City, que entrou em campo com o logotipo da organização norte-americana. Além desta ativação, foi lançada uma coleção de roupas em uma collab entre as duas organizações. Outra ação de marketing de destaque foi a parceria com o rapper Snoop Dogg para criação de conteúdo exclusivo, um bom exemplo do potencial de investimento da FaZe em outras áreas.

A Team Liquid, equipe holandesa, é a terceira mais valiosa do mundo, avaliada em R$ 1,7 bilhão de acordo com a Forbes, e também abriu os olhos para o grande mercado. A organização coleciona parcerias com Marvel e Naruto, proporcionando maior identificação com públicos mais jovens.

Equipes e personalidades dos eSports começam a olhar para o caminho inverso

Um reflexo deste crescimento é o movimento recente que tem ganhado cada vez mais força: o de equipes, marcas e personalidades ligadas aos eSports investindo de diferentes formas nos esportes tradicionais. Estas marcas buscam cada vez mais expandir seus alcances e conquistar fãs ao redor do mundo.

Um dos casos mais conhecidos é da EVOS Esports, equipe da Indonésia que conta com participação em diversas modalidades nos esportes eletrônicos. Ela decidiu expandir suas atividades e criou um time de basquete para a disputa da liga local do país. A EVOS possui uma grande gama de fãs no Sudeste da Ásia, graças aos diversos times no cenário de eSports mobile.

No Brasil, o caso mais famoso é da FURIA Esports, equipe que tem como um dos seus fundadores o jogador profissional de Poker, André Akkari, e o jogador de futebol Neymar como um dos seus maiores apoiadores. A Pantera, forma como a organização é conhecida, já patrocinou o enxadrista Krikor Mekhitarian, bicampeão brasileiro da modalidade, a lutadora Livinha Souza, que já figurou no quadro do UFC (principal torneio de MMA do mundo), skimboard com o campeão mundial Lucas Fink e os irmãos Enzo e Pietro Fittipaldi no automobilismo. Além disso, Jaime Pádua - CEO da organização - revelou, em entrevista recente para o ge.Globo durante a Rio2C, o desejo de montar um time de futebol profissional.

Pietro, que estava cotado para assumir o lugar do russo Nikita Mazepin na equipe de Fórmula 1 Haas, possui [grande base de fãs na internet pela ligação com a Tribo, como é conhecido o público/audiência do canal do streamer Alexandre "Gaules" Borba, ex-jogador profissional de Counter Strike e um dos maiores streamers do país, com mais de 70 mil inscritos em seu canal na Twitch. O brasileiro correu nos últimos anos com o adesivo do canal do Gaules estampado em seu carro.

- Acredito que esse movimento tem tudo para se tornar cada vez mais comum. Organizações de esportes eletrônicos crescem cada vez mais e alcançam poderio financeiro. Em contrapartida, times tradicionais passam por dificuldades. Isso torna mais atrativo que parcerias nesse sentido sejam firmadas - afirma Bruno Maia, especialista em marketing esportivo.

Gaules também encabeça outra tendência recente: o de produtores de conteúdo e plataformas originalmente presentes no mundo dos games passando a transmitir eventos de esportes tradicionais. Em consequência do alcance atingido na Twitch, Gau, como é carinhosamente chamado pelos seguidores, adquiriu os direitos de transmissão da NBA e do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1. Outro exemplo dessa integração é a transmissão de jogos do Campeonato Carioca de 2022 na Twitch, plataforma que conta com um público majoritariamente gamer, em parceria com streamers como Casimiro Miguel e o podcast Flow.

- Estes criadores de conteúdo entenderam como ninguém a forma de se relacionar atualmente com o público. As livestreams já atraíam a atenção dos mais jovens, tirando o foco da televisão, muito por conta da democratização e interatividade que alcançaram. Disponibilizar as transmissões esportivas nestas plataformas e com esse tipo de linguagem só faz com que a audiência se renove cada vez mais - completou Bruno Maia.

FaZe Clan, FURIA e Team Liquid são três das dez equipes participantes do Campeonato Brasileiro de Rainbow Six Siege, torneio organizado pela própria desenvolvedora do game - a Ubisoft - e um dos mais relevantes do cenário de esportes eletrônicos do país. A competição já foi palco dessas ativações transmidiáticas, como uma música composta especialmente para a final da competição e de equipes com uniformes de times em parcerias com empresas famosas de quadrinhos e mangás.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários