Entenda o principal desafio de Maurício Souza no Vasco
Felippe Rocha
Entenda o principal desafio de Maurício Souza no Vasco


A escalação do Vasco é sabida e os méritos também. E se a equipe está no G4, invicta e vem de vitórias seguidas, deve ter pouca coisa para Maurício Souza mexer em relação ao que era trabalhado por Zé Ricardo, certo? Certo. É pouca coisa, mas é uma grande mudança que precisa ocorrer: no desenvolvimento das virtudes ofensivas da equipe.

+ Em nova pesquisa, Vasco tem a sexta maior torcida do Brasil. Confira o top 15

Porque a defesa vascaína é forte, não há novidade. Cinco gols sofridos em 12 jogos. É das melhores da Série B do Campeonato Brasileiro. Já o ataque é o sexto pior, com 12 gols marcados. E exatamente porque tem pouco volume. O Vasco cria pouco e, consequentemente, chuta pouco nos gols adversários. Tornar o time mais ofensivo é a missão de Maurício.

- Quando falamos do processo de evolução da equipe, falamos de maneira geral. É claro que o Zé buscou uma ideia, fortaleceu essa ideia, que era ter um sistema defensivo muito forte, e isso foi dando resultado. E é claro que o próximo passo seria ter um time com um pouco mais de posse, de repente com uma linha de marcação um pouco mais alta. Isso era a ideia do Zé - revelou Maurício, quando apresentado, ao revelar a conversa com o antecessor. E seguiu:

- Tanto era que já vem acontecendo. O próprio Emílio (Faro, auxiliar-técnico da comissão permanente) falou, na entrevista dele que, no jogo contra o Náutico, o mérito da vitória pertencia ainda ao Zé. Porque quem trabalhou a equipe até então foi ele. E o Emílio, com toda a sabedoria de vários anos de futebol, um cara extremamente experiente e leal, o que ele fez: foi e deu sequência no que estava sendo feito, e que já se mostrou uma evolução. Mas não pode parar por aí - pregou o novo técnico do Vasco.

Os números comprovam que o próximo passo é melhorar ofensivamente. Confira dados extraídos do Footstats:

- O Vasco tem a terceira menor média de finalizações totais: 11,08. Atrás apenas de CRB e Tombense. Cruzeiro, Náutico e Bahia são os que mais finalizam.
- Empatado com o CSA, o Vasco é o sexto time que menos finaliza no alvo: média de 3,75 por jogo.
- Somente 11º time com mais posse de bola: 49,93%

-> Confira a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

Não há, porém, uma relação direta, em números, que comprove a evolução apontada por Maurício Souza. Contudo, o time fez, contra o Náutico, na última terça-feira, três gols no mesmo jogo pela primeira vez após três meses.

- Contra o Cruzeiro: sete finalizações, sendo duas no alvo. Posse de bola: 41,37%.
- Contra o Náutico: sete finalizações, sendo seis no alvo. Posse de bola: 54,49%.
- Contra o Grêmio: 15 finalizações, sendo quatro no alvo. Posse de bola: 53,56%.
- Contra o Brusque: 12 finalizações, sendo seis no alvo. Posse de bola: 46,55%.
- Contra o Guarani: 17 finalizações, sendo cinco no alvo. Posse de bola: 45,96%.
- Contra o Bahia: seis finalizações, sendo uma no alvo. Posse de bola: 41%.
- Contra o CSA: 14 finalizações, sendo seis no alvo. Posse de bola: 43%.
- Contra o Tombense: nove finalizações, sendo três no alvo. Posse de bola: 55,76%.
- Contra a Ponte Preta: 15 finalizações, sendo duas no alvo. Posse de bola: 46,05%.
- Contra a Chapecoense: nove finalizações, sendo uma no alvo. Posse de bola: 50,54%.
- Contra o CRB: 12 finalizações, sendo cinco no alvo. Posse de bola: 53,52%.
- Contra o Vila Nova: dez finalizações, sendo cinco no alvo. Posse de bola: 59%.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários