Perto do adeus, Luiz Henrique reencontra adversário especial pelo Fluminense
Luiza Sá
Perto do adeus, Luiz Henrique reencontra adversário especial pelo Fluminense


Faltam 16 dias para Luiz Henrique deixar de ser jogador do Fluminense e passar a ser contratado do Real Betis, da Espanha. Colecionando os últimos momentos pelo Tricolor, o jovem tem apenas mais quatro jogos pela frente no clube que o criou. O desta quarta-feira, às 21h30, será contra um adversário que o marcou. Foi diante do América-MG que o garoto marcou o primeiro gol no profissional em uma partida com público, em novembro de 2021. Antes disso, ele só tinha balançado a rede com portões fechados.

+ Relembre momentos marcantes de Fred na segunda passagem pelo Fluminense

O Flu vai até a Arena Independência pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro nesta quarta-feira. A partida tem transmissão em tempo real do LANCE! . Na época, Luiz vivia um jejum de nove partidas sem marcar e ouviu a torcida gritar seu nome pela primeira vez. Ele voltava ao time titular após duas partidas de ausência, depois de ter sentido a coxa contra o Grêmio.

Além disso, o jovem também usava a camisa de Chico Guanabara, considerado primeiro torcedor de futebol do Brasil, negro, tricolor e personagem central da webserie que o Fluminense lançou no ano passado.

Veja a tabela da Série A do Brasileirão

​Além de Luiz, Fred também fez valer a lei do ex e marcou contra o clube que o revelou. O camisa 9, porém, não estará à disposição ainda. No retrospecto, o Flu vem de quatro vitórias, quatro derrotas e dois empates nos últimos 10 confrontos. No Independência, o Tricolor não sai vitorioso desde 2016, quando o centroavante e ídolo foi responsável pelo triunfo por 1 a 0.

Fluminense x América-MG - Luiz Henrique

Luiz Henrique celebra gol contra o América-MG (Foto: Lucas Merçon/Fluminense FC)

VAI DEIXAR SAUDADE

Luiz Henrique viveu altos e baixos no profissional antes de ser a bola da vez do Fluminense para a venda. Ele foi negociado com o Betis por cerca de 13 milhões de euros (R$ 70 milhões na cotação atual), sendo 9 milhões de euros fixos e o restante variável. Além disso, manteve 15% dos direitos econômicos do atacante pensando em negociações futuras.

O jovem completou 100 jogos com a camisa tricolor na derrota para o Junior Barranquilla (COL) por 3 a 0, em abril, mas o caminho até fazer a torcida saber que vai sentir saudades foi longo. Luiz Henrique foi promovido ao profissional em 2020, e chegou a completar 28 jogos. Na época, o jovem fez uma temporada tímida ao lado de Marcos Paulo, colega e também promessa de Xerém. Ao todo, foram dois gols e duas assistências. Mesmo contestado por parte da torcida, ele permaneceu nos planos do Tricolor em 2021.

Sob o comando de Roger Machado, o atacante disputou a posição com Kayky e Caio Paulista, que vivia um bom momento. Contudo, o jovem recuperou a titularidade ainda no primeiro turno, no primeiro Fla-Flu pelo Brasileiro. Na partida, ele serviu de garçom para André, que marcou o gol da vitória. Em setembro, Luiz Henrique marcou quatro gols em cinco duelos, contra a Chapecoense, São Paulo, Cuiabá e Red Bull Bragantino.

Depois disso, o amadurecimento foi consolidado e ele foi um dos principais jogadores do time de Marcão no resto do ano. Em 2022, iniciou como destaque de Abel Braga, mas acabou perdendo a confiança. O jovem chegou a passar dois meses sem marcar um gol. Entre lesão e período de baixa, foi até vaiado pela torcida, insatisfeita com o rendimento ruim depois da confirmação pública da venda. Vale ressaltar que o jogador assinou o contrato na antevéspera do confronto com o Olimpia (PAR) no Rio de Janeiro, quando marcou um golaço. Incentivado e cobrado desde a chegada de Diniz ao Fluminense, o jovem mostra mais leveza.

Com Abel Braga, Luiz Henrique tinha cinco assistências e um gol. Desde o início de maio, quando Diniz assumiu, são quatro gols e duas assistências, ambas na partida com o Atlético-MG, quando o jogador também balançou a rede. Se antes o treinador já considerava difícil a reposição para o setor, com o protagonismo do cria de Xerém nos últimos tempos isso se torna ainda mais complicado.

Depois do América-MG, Luiz Henrique ainda terá Avaí, Cruzeiro e Botafogo, todos no Rio de Janeiro, antes da despedida.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários