Vivendo outra fase, Róger Guedes reencontrará adversário da estreia pelo Corinthians
Fábio Lázaro
Vivendo outra fase, Róger Guedes reencontrará adversário da estreia pelo Corinthians


O adversário do Corinthians neste sábado (11) traz boas lembranças para o atacante Róger Guedes. Foi contra o Juventude que o jogador estreou pelo clube alvinegro e ainda deixou a sua marca pela primeira vez com a camisa corintiana, garantindo o empate em 1 a 1 na reta final da partida.

+ GALERIA - Jogadores da base que mais ganharam chances com VP
+ TABELA - Confira e simule os jogos do Corinthians no Brasileirão

O jogo aconteceu há menos de um ano, no dia 7 de setembro, na Neo Química Arena, mesmo palco do confronto deste fim de semana. E, na ocasião, muita coisa era diferente com Guedes no Timão.

O atual camisa 9 vestia o número 123 e chegava ao clube alvinegro com status de estrela, após um período de negociação que gerou muita expectativa, mas hoje vive um momento de instabilidade em campo, sem ir às redes há quase dois meses.

CHEGADA COM EXPECTATIVA

Na época, Róger estava há nove meses sem jogar profissionalmente e o estafe do jogador buscou por semanas a rescisão contratual com o Shandong Taishan, time chinês que tinha os seus direitos.

A ausência do atacante dos gramados iniciou quando ele veio ao Brasil passar as festas de fim de ano, em dezembro de 2020, mas não conseguiu retornar ao país asiático no mês seguinte, por conta das restrições referentes a pandemia do novo coronavírus.

No momento em que contratou Guedes, o Corinthians vivia uma onda de contratações após não se movimentar no mercado no primeiro semestre da temporada passada. Porém, a estratégia de mercado corintiana era atacar jogadores livres de contrato.

Com a gestão atual iniciando em janeiro do ano passado e pegando um clube com uma dívida total próxima a R$ 1 bilhão, o primeiro passo foi iniciar um processo de consultoria administrativa e apostar nas peças que tinha, além dos atletas das categorias de base, durante a disputa do Campeonato Paulista.

Como o primeiro semestre foi de frustração dentro de campo, o segundo seria de reforçar o elenco na medida do possível.

Os jogadores livres no mercado apareceram, mas a maioria deles medalhões, já em reta final de carreira. Antes de anunciar Róger Guedes, o Timão fechou com nomes como Giuliano e Renato, com 31 e 34 anos, respectivamente.

Além de não se mexer na primeira janela do ano, outra estratégia da direção corintiana foi emprestar alguns ativos para liberar espaço na folha salarial, passando a apostar na qualidade e não na quantidade de peças no elenco, isso porque, ainda que disponíveis para contratação sem investimento de compra, os jogadores que pintavam à disposição do Corinthians possuíam um padrão salarial maior do que o teto da equipe até o então.

Róger Guedes, então, apareceu em uma situação completamente favorável ao clube alvinegro, a de um jogador novo, então com 24 anos, em condições de marcado.

Anunciado no dia 27 de agosto, Róger foi apresentado no dia 1º de setembro, durante a live de aniversário do Corinthians, e lá mesmo caiu ainda mais nas graças da Fiel, deixando claro que, mesmo tendo passado pelo Palmeiras, a sua realidade a partir daquele momento seria alvinegra.

Outro fator que deixou toda a nação corintiana empolgada foi a forma física de Guedes. Enquanto os reforços com mais idade não conseguiam suportar jogos inteiros ou uma sequência, Róger vivia pleno vigor físico, mesmo com os nove meses sem atuar.

ESTREIA CONTRA O JUVENTUDE

A boa forma de Róger Guedes já pôde ser vista no primeiro jogo do atacante pelo Timão, contra o Juventude, onde ele foi escalado como titular pelo então técnico corintiano Sylvinho e jogou durante os 90 minutos.

A equipe de Caxias do Sul até tentou colocar água no chope na estreia, saindo na frente ainda no primeiro tempo, com gol do atacante Ricardo Bueno. No entanto, Róger não arredou o pé da Neo Química Arena antes de deixar a sua marca.

Jogando aberto pelo lado esquerdo, função que já deixou claro que é onde quer jogar, ele buscou jogo, criou chances e foi para cima da marcação do Papo.

Aos 40 minutos do segundo tempo, o então camisa 123 foi premiado com o gol na estreia, em uma falta pelo lado esquerdo, onde a defesa do Juventude esperava um cruzamento, mas o atacante corintiano colocou direto no gol, entregando o seu cartão para toda a nação corintiana.

O gol no primeiro jogo foi o suficiente para que Róger Guedes caísse de vez nas graças da Fiel, o que foi aumentando com as atuações seguintes, que teve assistência para Gabriel Pereira no empate com o Atlético-GO na pártida seguinte, dois gols no clássico contra o Palmeiras e a média de um gol a pelo menos cada três jogos até o fim da temporada.

Além disso, o físico de Guedes sempre se mostrou impecável. Mesmo vindo de uma sequência grande sem jogar, o atacante ficou fora de somente uma partida em todo o segundo turno do Brasileirão no ano passado, justamente a da última rodada, quando o Timão já estava classificado para a Libertadores e não brigava por mais nada na competição nacional. Além disso, nos 19 jogos disputados desde a estreia, somente em dois ele foi substituído no segundo tempo.

QUEDA EM 2022

Foi por ‘chegar chegando’ que Róger Guedes era apontado como um dos grandes nomes corintianos para 2022, o que não aconteceu.

Além da mudança no número da camisa, assumindo a nove que ficou vaga durante toda a temporada passada, também houve a alteração no comando técnico do Corinthians. Sylvinho foi demitido após uma derrota para o Santos logo na terceira partida do ano, e Vítor Pereira chegou no mês seguinte.

Entre a saída do técnico anterior e a chegada do atual, o interino Fernando Lázaro não mexeu na condição de titular de Guedes, que era presença constante no time titular durante todo o Campeonato Paulista, mesmo já não repetindo a sequência de atuações e produtividade em gols do ano anterior.

Foram quatro gols marcados no Paulistão, mas em três partidas, já que dois foram anotados contra o São Bernardo, na sétima rodada. Até desencantar, foram cinco jogos em branco, e após marcar os primeiros na temporada foram mais quatro partidas de seca. Participações em gols foram somente com duas assistências, uma em cada período sem ir às redes.

Na fase final, Róger não jogou bem, tampouco marcou gols, tanto nas quartas de final contra o Guarani, na qual o Timão avançou nos pênaltis, após um empate em 1 a 1, quanto na eliminação para o São Paulo, na semifinal, que teve o clube alvinegro perdendo por 2 a 1.

Mesmo assim, o jogador foi artilheiro corintiano na competição estadual.

No entanto, depois da queda no Paulistão, o técnico Vítor Pereira adotou um esquema de rodízio e iniciou um período nebuloso para Róger Guedes na equipe do Parque São Jorge. Não só o rendimento do atacante caiu e o intervalo de gols aumentou, mas a relação do atacante com o treinador ganhou capítulos de críticas públicas.

Primeiramente, o atacante deixou claro a insatisfação por ser escalado fora do lado esquerdo, mas como centroavante. A fala ocorreu depois do camisa 9 marcar os três gols do Corinthians na vitória por 3 a 0 sobre o Avaí, na segunda rodada do Brasileirão.

Nesse momento, o jogador já estava insatisfeito por ter ficado fora do time titular nas duas primeiras partidas da Libertadores, de acordo com informações obtidas pelo LANCE! .

Segundo apurou a reportagem, Róger imaginou que estava em uma espécie de primeira prateleira do Corinthians e mesmo com o rodízio seria o escolhido nos jogos maiores, principalmente os da Liberta, mas o que aconteceu foi exatamente o contrário. Guedes não foi titular na competição até o então, entrando no segundo tempo em quatro jogos e em dois nem saindo da reserva.

Além de nem entrar em jogos importantes da Libertadores, Róger também vinha perdendo espaço até em partidas grandes no Brasileirão, como o clássico contra o São Paulo.

Questionado após o Majestoso sobre a decisão de barrar Guedes, Vítor Pereira admitiu que não via respostas do atacante nos treinamentos. No dia seguinte, o camisa 9 fez uma postagem no Istagram com os números na temporada, no qual ele é artilheiro do Corinthians.

Mesmo longe de um bom relacionamento com o seu comandante, Róger Guedes voltou a ser titular nas últimas três partidas, mas segue vivendo um jejum de nove jogos.

Os únicos gols que ele marcou neste Brasileirão foram no hat-trick diante do Avaí, na segunda rodada. Já são nove jogos em branco, o que significa quse dois meses - que será completo na próxima quinta-feira (16).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários