ANÁLISE: Com desempenho questionável, Corinthians conquista pontos fundamentais
Rafael Marson
ANÁLISE: Com desempenho questionável, Corinthians conquista pontos fundamentais


Após uma rara semana dedicada inteiramente aos treinos, era esperado que o Corinthians mostrasse evolução em campo contra o Atlético-GO. A vitória veio , e foi fundamental, mas novamente a atuação da equipe alvinegra deixou a desejar.

+ GALERIA - Retrospecto do Timão contra possíveis adversários na Copa do Brasil

É necessário ponderar que mesmo com cinco dias de preparação para encarar o Dragão no Antônio Accioly, Vítor Pereira tinha desfalques consideráveis. Ele não pôde contar com Fagner, João Victor, Maycon, Paulinho, Willian e Jô, todos considerados titulares ou muito importantes no rodízio do português.

Dessa forma, Vítor improvisou, mais uma vez. Ele escalou o Timão em um 4-3-3, com Mantuan na lateral-direita, Piton na ponta-esquerda e Róger Guedes centralizado no ataque. O meio-campo tinha Du Queiroz, Giuliano e Renato Augusto.

Até a metade do primeiro tempo, o clube alvinegro foi dominado pela equipe da casa, que chegava com perigo e explorava o lado de Mantuan e Bambu. Além do mais, o Corinthians não conseguiu ameaçar a meta de Ronaldo nesse período, penando na construção ofensiva.

O Dragão chegou a balançar as redes após desatenção de todo o sistema defensivo, mas o árbitro de vídeo traçou as linhas e flagrou impedimento de Jorginho.

A sensação no Antônio Accioly era que há qualquer momento a equipe da casa assumiria a vantagem no placar. Ledo engano. Com três garotos formados no Terrão, o Corinthians conseguiu um gol improvável, na conta do brilhantismo de Du Queiroz, a boa forma de Piton e a estrela de Mantuan.

+ TABELA - Confira e simule os jogos do Corinthians no Brasileirão

A vantagem no placar animou os visitantes, que melhoraram nos 15 minutos finais, mas além de um chute de Adson, não criaram muita coisa.

Na segunda etapa, Vítor Pereira abraçou sem nenhuma vergonha a vantagem e recuou o time. A circulação de bola seguia sendo o grande problema do Corinthians, que conseguia abafar a pressão do Dragão.

No decorrer do segundo tempo, ao colocar Bruno Melo, João Pedro e Cantillo nas vagas de Piton, Renato Augusto e Adson, respectivamente, o treinador lusitano montou uma linha de cinco na defesa para segurar a vitória.

Os números mostram que o Corinthians se comprometeu em não ser vazado. Na primeira etapa, a equipe alvinegra trocou 218 passes. Na etapa final, foram 109. A posse de bola caiu de 51.73% para 42.33%. No segundo tempo, nenhum chute ao gol, segundo o Footstats.

Mas, como disse Vítor Pereira na coletiva, defender faz parte do jogo , e o Corinthians soube neutralizar as investidas do Atlético-GO. Liderados por Robson Bambu (14), o Timão teve 48 rebatidas na partida.

O único perigo real de gol veio aos 45 minutos. Em falta cobrada por Jorginho, Lucas Lima aparece na pequena área, mas o camisa 17 não cabeceou bem e a bola passou a centímetros do gol de Cássio.

A atuação não foi das mais vistosas, mas ao contrário de algumas equipes deste Brasileirão, o Corinthians conseguiu 'vencer feio'. E dadas as circunstâncias (desfalques de peso, sequência de cinco empates, jamais ter vencido Atlético-GO no Antônio Accioly) os três pontos são mais valiosos do que a performance coletiva.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários