Ironman Brasil tem, pela primeira vez, dobradinha brasileira no pódio
Iúri Totti
Ironman Brasil tem, pela primeira vez, dobradinha brasileira no pódio


O triatlhon brasileiro fez história neste domingo. Pela primeira vez em suas 20 edições, todas elas em Jurerê Internacional, em Florianópolis (SC), o Ironman Brasil teve, em uma mesma edição, os representantes do país no topo dos pódios na Elite, no masculino e feminino. Neste domingo chuvoso na capital catarinense, o paulista Reinaldo Colucci e a capixaba Pâmela Oliveira foram os responsáveis por este grande feito, levando a torcida espalhada pelo percurso ao delírio.

Colucci completou os 3,8km de natação, 180km de ciclismo, e 42,1km de corrida com o tempo de 7h48m27s, a terceira melhor marca na etapa brasileira do Circuito Ironman, seguido pelo catarinense Igor Amorelli, com 7h53m10s, e pelo também paulista Fernando Toldi, com 7h59m39s, garantindo um pódio totalmente brasileiro. Colucci e Amorelli ficaram com a duas vagas para o Ironman World Championship 2022, no Havaí (EUA).

Brasileiros já conquistaram seis títulos no Ironman Brasil

á Pâmela, que antes da prova dizia que queria melhorar seu tempo de 2019, quando foi vice-campeã, cumpriu a palavra com sobras, baixando o tempo, conseguindo o melhor resultado de uma atleta nacional na prova, entrando para a galeria de campeões da prova e levando a vaga para Kona. Seu tempo foi de 8h54m01s. Em segundo lugar ficou a suíça Joanna Ryter, com 9h06m05s, e, em terceiro, a santista Bia Neres, com 9h14m05s. Pâmela e Bia representarão o país em Kona, uma vez que a segunda colocada já tem a vaga.

Agora, o Brasil acumula seis títulos no Ironman Brasil. No feminino, a fluminense Fernanda Keller venceu em 2004 e 2008, gaúcha Ariane Monticeli em 2015 e a capixaba Pâmela Oliveira em 2022. Já no masculino, antes da conquista de Reinaldo Colucci este ano, somente o catarinense Igor Amorelli, em 2014, tinha sido campeão.

Colucci supera adversários na corrida

A briga pelo primeiro lugar no masculino já começou forte na primeira modalidade. Colucci e Igor saíram juntos da água, seguidos de perto pelo francês Arnaud Guilloux, que conseguiu encostar nos dois no pedal. Na corrida, Colucci começou mais forte e foi, aos poucos, abrindo vantagem para os adversários até conquistar sua primeira vitória no Ironman Brasil. Destaque também para Fernando Toldi, que no final conseguiu superar o francês e assegurar um lugar no pódio.

“Estou muito feliz. Fiz minha estreia como profissional aqui em 2004 e, agora, 18 anos depois, consigo minha primeira vitória. Conquistei muita coisa na minha carreira, mas faltava este título e fiz uma preparação forte parra vencer. Tinha certeza que poderia entregar um bom resultado e isso se confirmou. Mais feliz ainda por ter dividido o pódio com o Igor e Fernando”, declarou o campeão. “Quero seguir melhorando e pensar em Kona, que é o sonho de qualquer atleta. Desta vez, junto com o Igor”.

Igor somou mais um resultado expressivo. Este segundo lugar tem um gosto especial para o triatleta. “Foi um alívio grande depois de algum tempo sem muitos resultados. Bom saber que estou no caminho de volta. Ainda falta muito para o que eu quero, mas já começa a ficar melhor. Outro ponto importante foi ter conseguido a vaga para Kona. Já pensava que não iria mais competir lá e estar será especial”, disse o catarinense.

Pâmela domina de ponta a ponta

Já no feminino, não houve tanta disputa porque a campeã não deu chance para as adversárias. Mostrando estar em excelente forma, Pâmela começou a todo o vapor e abriu boa vantagem já na natação, aumentando a diferença no pedal e também na corrida. Em sua segunda participação no Ironman Brasil ficou com o lugar mais alto do pódio.

“Foi um dia completo, pois consegui meus três objetivos. Se tivesse obtido apenas uma já estaria satisfeita. A galera empurra muito e não tem como desanimar aqui”, explicou. A triatleta ainda destacou sua melhor preparação para a natação. “Em 2019 não dei muito valor à natação, mas desta vez treinamos muito. Pude nadar tranquila e consegui manter meu ritmo, saindo até descansada. Deu tudo certo e isso é mais importante”. (Iúri Totti)

Resultados Elite

Masculino: 1. Reinaldo Colucci (BRA), em 7h48m27s; 2. Igor Amorelli (BRA), em 7h53m10s; e 3. Fernando Toldi (BRA), em 7h59m39s.

Feminino: 1. Pâmela Oliveira (BRA), em 8h54m01s; 2. Joanna Ryter (SUI), em 9h06m05s; e 3. Bia Neres (BRA), em 9h14m45s.

Campeões do Ironman Brasil

2001-Eduardo Sturla (ARG), em 8h11m10s / Wendy Ingraham (EUA), em 9h10m02s;

2002 – Spencer Smith (GBR), em 8h15m38s / Nicole Leder (ALE), em 9h24m45s;

2003 – Oscar Galindez (ARG), em 8h16m10s / Bárbara Buenahora (ARG), em 9h33m21s;

2004 – Olaf Sabatchus (ALE), em 8h19m32s / Fernanda Keller (BRA), em 9h26m05s ;

2005 – Olaf Sabatchus (ALE), em 8h50m56s / Joanna Zeiger (EUA), em 9h29m43s;

2006 – Oscar Galindez (ARG), em 8h15m18 / Lisbeth Kristensen (DIN), em 9h20m46s;

2007 – Oscar Galindez (ARG), 8h21min11s / Nina Kraft (EUA), 9h12min39s;

2008 – Eduardo Sturla (ARG), em 8h28m24s / Fernanda Keller (BRA), em 9h24m49s ;

2009 – Eduardo Sturla (ARG), em 8h13m38s / Dede Griesbauer (EUA), e 9h10m14s;

2010 – Luke McKenzie (AUS), em 8h07m38s / Tereza Macel (CAN), em 9h26m08s;

2011 – Eduardo Sturla, (ARG), em 8h15m03s / Amy Marsh (EUA), em 9h09m39s;

2012 – Ezequiel Morales (ARG), em 8h22m40s / Sofie Goss (BEL), em 9h17min42;

2013 – Timothy ODonnell (EUA), em 8h01m32s / Amanda Stevens (EUA), em 9h05m52s;

2014 – Igor Amorelli (BRA), em 8h07m53s / Sara Gross (CAN), em 8h56m34s;

2015 – Marino Vanhoenacker (BEL), em 7h53m44s / Ariane Monticeli (BRA), 8h59m08s ;

2016 – Brent McMahon (CAN), em 7h46m11s / Elizabeth Lyles (EUA), em 8h54m11s;

2017 – Tim Don (GBR), em 7h40m23s / Susie Cheetham (GBR), em 8h52m00s;

2018 – Jesper Svensson (SUE), em 8h08m06s / Kirsty Jahn (DIN), em 8h54m57s;

2019 – Andrew Potts (EUA), em 8h02m57s / Sarah Piampiano (EUA), em 8h40m48s; e

2022 – Reinaldo Colucci (BRA), em 7h48m27s / Pâmela Oliveira (BRA), em 8h54m01s.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários