Ao L!, Domitila Becker revela projeto para final da Champions: 'Quero ser a melhor que eu posso'
João Garcia*
Ao L!, Domitila Becker revela projeto para final da Champions: 'Quero ser a melhor que eu posso'


A final da Champions League está chegando e o SBT vem preparando uma super cobertura para o evento . Ás vésperas da decisão, a jornalista Domitila Becker conversou de forma exclusiva com o LANCE!.

+ Veja como estão os preparativos para a final da Champions League

A apresentadora do SBT relembrou momentos marcantes da carreira, comentou sua relação com a emissora e revelou como está se preparação para a grande final.

Como foi o início da sua carreira? Você sempre sonhou em ser jornalista?

- Eu era a pessoa que fazia vídeo da família, vídeo da avó, vídeo dos aniversários e na hora de escolher a profissão, foi uma coisa natural. Eu queria ser veterinária até o último segundo, mas depois eu quis trabalhar com vídeo, mas não necessariamente como repórter. Eu sempre gostei muito de filmar e editar.

Como foi morar em Barcelona? O quanto esse período na Espanha enriqueceu seu trabalho?

- Morar em Barcelona foi incrível. A minha primeira entrevista da vida foi com Pep Guardiola. Nessa época, eu era tão novata que eu nem tinha ideia do que significava tudo isso que eu estava vivendo. Como correspondente internacional do SporTV, eu estava trabalhando com Pep Guardiola e Messi. Foi incrível.

Como foi a experiência de viajar pelo mundo?

- Foi um sonho que eu me preparei e juntei dinheiro durante 15 anos. Eu comecei a trabalhar muito cedo com esse propósito. Quando eu comecei a viajar o mundo, eu fui muito feliz. Eu acordava todo dia e não acreditava que eu estava vivendo esse sonho. Eu virei uma pessoa mais organizada, porque viajar com uma mochila pequena proporciona isso. Eu também me estresso menos com os problemas, porque às vezes os problemas demoram a resolver e não adianta se estressar. Eu acho que sou muito mais feliz e uso isso no trabalho. Por exemplo, na final da Conference League que a gente transmitiu pelo SBT, eu já tinha ido para Albânia, então eu sabia como era lá e eu tento colocar isso no meu trabalho. Eu falo inglês, francês e espanhol. Treinei muito na viagem e isso também me ajuda no trabalho.


Pretende voltar a fazer essa aventura?

- É difícil. Eu pretendo, mas agora eu estou vivendo uma aventura incrível que está sendo trabalhar no SBT. É uma TV aberta. Quando eu trabalhava na Globo, eu ficava mais no SporTV. Champions League é o campeonato mais incrível de se trabalhar. Libertadores, Copa do Mundo e Olimpíadas são muito legais também, mas essa música da Champions tem uma grandeza. Toda vez que toca, eu arrepio. É incrível. Quando eu entrei no estúdio do SBT e tocou aquela música, eu fiquei muito emocionada. Meu coração disparou. Eu achei que dava para ouvir no microfone de tão forte que estava batendo. É essa emoção e adrenalina do ao vivo que me move.


Como foi apresentar o programa “É Gol” e como era a relação com o Cartolouco? Você pode revelar alguma história engraçada dos bastidores?

- Não tem (risos). Por que a gente entrava às 06h da manhã para preparar o programa. Começava ao vivo às 12h e sempre era uma bronca, porque no dia anterior ele (Cartolouco) tinha aprontado alguma. Ninguém merece tomar bronca 07h da manhã (risos). Mas ele é doido daquele jeito e tinham muitas coisas divertidas no programa.

Qual foi a sensação de trabalhar na Copa do Mundo de 2016 e nas Olimpíadas de 2018?

- Foi incrível de diversas formas. Primeiro, porque isso nunca vai se repetir, pelo menos nos próximos anos. Tinha uma sensação de felicidade. As pessoas estavam muito felizes com esses eventos. Eu tinha essa consciência de que era um evento único e uma oportunidade única de estar trabalhando com esses eventos em casa. Além de acompanhar as competições como jornalista, a gente ganhava uma credencial. Então eu acompanhei muitos jogos, principalmente nas Olimpíadas, como torcedora. Eu apresentava o "Bom Dia SporTV" e depois eu estava livre. Como o programa ficava no Parque Olímpico, eu assisti várias competições. Na Copa do Mundo, eu tive uma das melhores ideias da minha vida. Eles me chamaram para apresentar o "Madruga SporTV" e era uma coisa única. Nunca uma televisão tinha feito uma programação de 24 horas ao vivo. Só que se eu trabalhasse de madrugada e dormisse de manhã, eu iria perder a Copa do Mundo. Então eu tive a ideia de mostrar os bastidores do SporTV durante a maior cobertura da história do SporTV. Eu tinha minha câmera, então eu fiz um projeto desse programa e aí eu acompanhei todos os eventos. Foi o melhor mês não dormido da vida (risos).

Como está sendo trabalhar no SBT?

- Eu tenho uma relação de longa data com o SBT, porque eu nasci na frente do antigo SBT que se chamava "Canal 4". Eu passei minha infância nos corredores do SBT. A gente assistia aos programas de criança da emissora. Quando minha família ficou sabendo da proposta do SBT, eles comemoraram mais do que eu, porque a gente tinha uma relação familiar com o canal. Eu me emociono sempre quando eu entro lá. É uma empresa incrível e eu tenho a sensação que todo mundo lá trabalha feliz.


Quais são seus projetos para o futuro?

- Quando eu terminei a segunda volta ao mundo, eu achei que não iria trabalhar nunca mais na televisão. Quando o SBT me chamou, eu fiquei com medo. Por que eu tinha dúvidas se eu ainda sabia fazer aquilo. Eu acho que comecei no SBT sem confiança, mas agora meu projeto para o futuro é um projeto de futuro próximo. No sábado, na final da Champions, eu quero ser a melhor apresentadora que eu posso e na próxima temporada também. Então, eu estou fazendo de tudo para que isso aconteça. Estou fazendo aula de teatro, lendo muito, estudando os jogadores, os times, esquema tático e os campeonatos lá fora para realmente ser a melhor apresentadora.

O que significa para você trabalhar em uma final de Champions?

- Quero corresponder a expectativa, porque eu sou a única apresentadora de Champions no SBT. Eu espero que vocês gostem da transmissão no sábado. Tenho certeza que a gente está dando nosso suor para esse projeto ser da altura que essa final merece, com esses dois clubes gigantes e tradicionais (Real Madrid e Liverpool). O SBT também merece pelo investimento e pela história da emissora.

Liverpool e Real Madrid se enfrentam neste sábado às 16h, mas a cobertura do SBT iniciará às 14h15. Domitila Becker e outros grandes jornalistas da emissora vem se preparando para proporcionar uma grande transmissão para os telespectadores.

+ Veja quanto Liverpool e Real Madrid podem faturar com o título

*Estagiário, sob supervisão de Ricardo Guimarães

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários