Artigo: 'A bandeirinha'
Luiz Fernando Coelho*
Artigo: 'A bandeirinha'


Calma, pessoal. Não se trata de um texto homofóbico afirmando que a função de bandeirinha não é adequada para mulheres, por exemplo, ou qualquer outro gênero. Me refiro a bandeirinha. Sim, aquela que fica na intersecção da linha lateral com a linha de fundo em nossos estádios.

+ Vidal e Fernandinho no Brasil? Veja os jogadores de Copa do Mundo que atuam no país

Pois bem, este simpático símbolo de uma área do campo de jogo, de onde podem sair lances fantásticos – os gols olímpicos são inesquecíveis pela sua plasticidade e pela destreza de quem bate na bola – está agora sofrendo toda a violência que nossos atletas, mais chegados ao MMA do que ao futebol, andam distribuindo as pobres coitadas. Não é raro ver, na comemoração de um gol, um atleta correr à bandeirinha, saltar e acertar um chute na coitada. Uma covardia.

No passado, os mastros das bandeirinhas eram de madeira. Aí a conversa era outra. Hoje, o material é muito flexível e o atleta não sofre nenhum tipo de lesão com o chute.

Uma curiosidade. Me lembro uma vez no Maracanã, assistindo a um jogo do Rio/São Paulo, também conhecido como Torneio Roberto Gomes Pedrosa, quando o ponta esquerda de um time paulista foi bater o escanteio, errou a bola, chutou a bandeirinha e caiu imediatamente no chão, se contorcendo em dores. Mas deixemos as histórias do futebol do passado, e voltemos à nossa conversa.

Com o mando de campo, uma parte das equipes passou a usar as suas bandeiras nos mastros localizados na área do escanteio. Ora, ora, quando este tipo de ação acontece e o jogador adversário, ao comemorar um gol, chuta a bandeira de seu rival. Sabe o que acontece? Nada. No máximo, caso a bandeira caia, a gandula vai lá e a põe no lugar. E ficamos assim.

Mas Luiz, você está se tornando um chato com estes seus comentários. Pode ser, respondo eu. Mas é a partir destes pequenos detalhes impunes que começamos a desrespeitar o principal interessado no espetáculo: aquele que paga o ingresso. Mas os caras não estão nem aí para isso ... Concordo, mas na medida em que chutar a bandeira adversária pode e não é punida enquanto ação, começamos a pisar num terreno pantanoso, não é verdade?

Estamos em uma fase de criação de uma Liga dos clubes , onde torcedores ardorosos, travestidos de dirigentes, brigam para tentarem se entender. É a festa do estica e puxa, e tudo sob o conceito de construirmos um futebol profissional de melhor nível.
São muitos os detalhes relativos ao espetáculo que me incomodam como torcedor, como profissional da área de marketing do esporte e como cidadão.

Alguns pontos:

- Por que executar o Hino Nacional, se ninguém canta, nem presta atenção;

- Os parentes dos mortos na pandemia de COVID 19 agradeceriam sinceramente se o tal minuto de silêncio parasse de acontecer, já que não tem ninguém em silêncio mesmo;

- Fez gol, tirou a camisa: amarelo. Três cartões: igual a dia de descanso. O patrocinador fica sem a exposição da marca, o torcedor sem poder ver seu ídolo;

- Entrevista coletiva ao final do jogo tem: sapato, garrafinha, boneco, logo no microfone. Resultado: uma imagem horrorosa, pela qual o assinante pagou, em muitos casos;

- E o tal chute na bandeirinha. Um baita desrespeito a todos

- Mais uma que merece ser citada ... Uma vez fui assistir à transmissão de uma partida na MEU TIME TV. Que coisa horrorosa. Não se falavam os nomes dos jogadores adversários. O time fez um gol e a narração foi ridícula. Mais parecia um novo tiro de meta. Podemos admitir que não haja uma vibração intensa, mas simplesmente quase ignorar é demais.

Senhores e senhoras, com tudo isso acontecendo em nosso dia a dia no futebol, como podemos esperar que se fale de um processo de modernização aqui em nosso país? Para que isso seja possível, minha sugestão é iniciarmos com a disseminação de três conceitos: respeito, educação e, principalmente, o papel do ídolo como formador de cidadãos, que verão nele um espelho a ser seguido.

Depois que esta base estiver mais bem estruturada, aí poderemos começar a falar de profissionalização, marketing do esporte e outros temas mais sofisticados.

Até a próxima.

*Luiz Fernando Coelho é Jornalista. Tem MBA em Marketing pela PUC-RJ. Curso de pós-graduação na Disney University (Orlando Florida), Amana KEY (São Paulo) e Mentoria Infinita (Instituto Gente). Atuou em grandes projetos na área de marketing do esporte (Projeto de BCN/FINASA OSASCO, OLÍMPIADAS RIO 2016; VOLLEYBALL HOUSE – Federação Internacional de Volei / Rio 2016). Nos Jogos de Tóquio 2020 fez parte do time que criou o TIME AJINOMOTO. Tem projetos desenvolvidos na Natação, na Vela, no Judô, no Karatê, no Basquete, no Remo e no Rugby.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários