Comissão técnica do Brasil 'adota' atleta de Cabo Verde no Mundial de boxe feminino
Lance!
Comissão técnica do Brasil 'adota' atleta de Cabo Verde no Mundial de boxe feminino


Nascida em Cabo Verde, Ivanusa Gomes Moreira, a Nancy, foi "adotada" pelos membros da comissão técnica da Confederação Brasileira de Boxe (CBBoxe) durante o Campeonato Mundial, que acontece em Istambul, na Turquia. Sozinha na cidade, ela entrou na rotina dos brasileiros, com direito a treinos, fisioterapia e quase beliscou uma medalha.

Nesta quarta-feira, Beatriz Souza (66kg) e Caroline Almeida (57kg) disputam a semifinal de suas categorias. A primeira enfrenta a italiana Alessia Mesiano na semifinal, a partir de 12h (de Brasília).

Nancy nasceu em Cabo Verde, mas vive em Portugal desde os oito anos de idade. No Porto, se divide entre dois negócios que tem com o marido: uma academia onde dá aulas de boxe e a cozinha de uma hamburgueria. Aos 31 anos, sustenta o sonho de ir às Olimpíadas graças a uma ajuda do programa Solidariedade Olímpica, do Comitê Olímpico Internacional (COI), e também à sua força de vontade.

A ajuda mensal de 500 dólares de COI, somada a recursos próprios, foi o que custeou a viagem para a Turquia para competir no Mundial. Mas Nancy viajou sozinha, sem companheiros ou qualquer suporte técnico. Ao chegar em Istambul, primeiro tentou ajuda junto à equipe do Mali, que acabou não se concretizando.

No dia do credenciamento conheceu pessoalmente Mateus Alves, técnico da Seleção Brasileira, a quem seguia nas redes sociais. Sensibilizado com a situação, ele a convidou para compartilhar a estrutura das atletas do Brasil.

- Como a Bia Soares se lesionou 10 dias antes do Mundial e era nossa (atleta dos) 66kg, acabamos adotando a Nancy, que é dessa categoria. Ela ficou junto da gente a partir daí, nos treinos, almoço, jantar, tudo. Fez até fisioterapia com o (Fábio) Conrado, nosso fisio. Foi muito legal. Não fizemos nada mais do que nossa obrigação como treinadores e pessoas que vivem do e para o esporte e o movimento olímpico - disse Mateus.

Leo Macedo abraça Nancy após luta, com Mateus Alves ao lado

Nancy abraçada pelos técnicos brasileiros (Foto: Divulgação/IBA)

Nancy tinha na mala duas camisas de Cabo Verde, que couberam perfeitamente em Mateus e no também técnico Leonardo Macedo. Devidamente uniformizados, os dois se desdobraram para dar todo o suporte possível. Nancy ficou encantada com o aprendizado e com a solidariedade recebida.

- Tive azar em vir sozinha, mas também tive muita sorte, pois se não viesse sozinha não teria treinado no meio deles, dos melhores, de meninas tão talentosas. Mateus e Leo me ajudaram bastante a ter um jogo mais efetivo, que funciona bem para o meu estilo. Psicologicamente também deram muito apoio. Senti que não estava sozinha. Foram incríveis. Serei sempre muito agradecida - disse Nancy.

A cabo-verdiana ficou a uma luta da sonhada medalha no Mundial. Fez três combates e se despediu na segunda-feira, nas quartas de final, ao ser superada pela canadense Charlie Cavanagh. Agora ficará na torcida pelas colegas brasileiras.

As semifinais serão disputadas a partir de quarta-feira e terão transmissão ao vivo do Canal Olímpico do Brasil. Caroline Almeida conquistou a vaga na categoria até 52kg após vencer Carly McNaul, da Irlanda, e agora enfrenta Zareen Nikhat, da Índia. Bia Ferreira avançou após superar Natalia Sadrina, da Sérvia, e pega Alessia Mesiano, da Itália, por uma vaga na final.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários