Última vitória do Corinthians na Bombonera teve três gols de Paulinho e técnico lendário
Fábio Lázaro
Última vitória do Corinthians na Bombonera teve três gols de Paulinho e técnico lendário


O Corinthians entra em campo contra o Boca Juniors, nesta terça-feira (17), às 21h30, pela Copa Libertadores , para jogar não só a sua classificação na competição continental como também a quebra de um tabu que perdura por 61 anos, que é vencer na Bombonera.

> GALERIA - Jogos do Corinthians na Arena com a volta do público
> TABELA - Confira e simule os jogos do Timão na Libertadores

A única vez que o Timão bateu os xeneizes como visitante foi justamente no primeiro confronto entre os times na Argentina, realizado no dia 21 de janeiro de 1961, pelo Torneio Octagonal de Verão. O Time do Povo venceu por 4 a 3, com show de Paulinho, mas não o mesmo que está no clube atualmente, e também foi um destaques na campanha vitoriosa do Timão no torneio continental, em 2012.

O Paulinho da década de 60 foi um atacante que chegou a registrar bons números com a camisa corintiana, mas não foi aproveitado da melhor maneira pela equipe, e, por isso, buscou ums outra equipe no fim daquele ano de 1961. No total, o jogador atuou pelo Timão durante toda aquela temporada, fazendo 29 jogos e 13 gols - três contra o Boca.

Agora o Timão, mesmo buscando uma vitória na Bombonera, como em 1961, não poderá repetir uma vitória com show de um Paulinho, sendo agora o seu meia, camisa 15, isso porque o jogador está se recuperando de uma lesão no ligamento cruzado do joelho direito, sofrida há duas semanas, em um jogo do Campeonato Brasileiro contra o Fortaleza, na Neo Química Arena.

TREINADOR LENDÁRIO

Outro ponto importante da única vitória do Corinthians sobre o Boca na Bombonera foi a presença do lendário técnico brasileiro Vicente Feola, campeão mundial com a Seleção, em 1958. Porém, Feola dirigia o time do Boca Juniors.

Aquela temporada foi a única de Vicente Feola trabalhando fora do Brasil. Depois, em 1964, o treinador retornou à Seleção Brasileira, onde comandou a Amarelinha na Copa do Mundo de 1966, já não obtendo o mesmo êxito de oito anos atrás.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários