Brasil terá maior delegação da história na Gymnasiade, na França
Lance!
Brasil terá maior delegação da história na Gymnasiade, na França


Uma das principais competições escolares do planeta será disputada em 2022 na região da Normandia, na França, entre 14 e 22 de maio. A Gymnasiade vai reunir cerca de 3,4 mil atletas-estudantes de 69 países, todos na faixa etária de 16 a 18 anos. O Brasil terá 230 representantes, de 22 Unidades Federativas. É a maior delegação do país na história da competição, que pela primeira vez terá também esportes paralímpicos. O Time Brasil vai atuar em 20 modalidades.


A seleção embarcou na quinta-feira (12) com destino à Europa. São 118 homens e 112 mulheres entre os atletas. Ao todo, a delegação terá 346 integrantes. O Brasil ficará sediado na cidade de Deauville, a 200 quilômetros de Paris.

O Brasil competirá no atletismo (olímpico e paralímpico), badminton, basquete 3 x 3, boxe, dança esportiva (break dance), esgrima, ginástica artística, ginástica rítmica, judô (olímpico e paralímpico), natação (olímpica e paralímpica), orientação, rúgbi 7, taekwondo, tênis de mesa, tiro com arco, vôlei de praia e wrestling,

A CBDE realizou entre março e abril oito seletivas para classificar os atletas-estudantes para a Gymnasiade da França. Houve quatro etapas em Aracaju (SE), duas em Macapá (AP), uma em Rio Branco (AC) e outra em Maricá (RJ). A entidade firmou ainda parcerias com confederações esportivas, como as de boxe, tiro com arco, esgrima e break dance, modalidades não contempladas nas seletivas, para definir os convocados a partir do ranking brasileiro.


Paralímpicos

Adicionalmente, a CBDE celebrou acordo com o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) para a seleção dos atletas que disputarão as modalidades paralímpicas na Normandia. O Brasil terá 27 alunos-atletas paralímpicos na Gymnasiade. Foram convocados 12 representantes do atletismo e da natação, além de três do judô.

“Escolhemos um grupo altamente competitivo para batalhar pelos primeiros lugares. Assim, poderemos contribuir no quadro de medalhas e dar experiência internacional aos jovens talentos que, esperamos, um dia possam chegar até a uma edição de Jogos Paralimpicos”, afirma Mizael Conrado, bicampeão paralímpico de futebol de cinco (Atenas 2004 e Pequim 2008) e presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro.

Potência

O Brasil embarcou para a França com o objetivo de manter-se entre os primeiros colocados no quadro de medalhas. A estimativa da CBDE é seguir no patamar de performance das duas últimas edições. Em 2016, na cidade de Trabzon, na Turquia, o país conquistou 128 medalhas – 57 de ouro, 32 de prata e 39 de bronze – e terminou no topo do quadro de medalhas, seguido de Turquia e França.

Em 2018, no Marrocos, o Brasil foi o terceiro colocado, com 87 medalhas – 27 de ouro, 26 de prata e 33 de bronze, atrás apenas de Ucrânia e Marrocos. “O nosso planejamento estratégico tem como meta figurar entre os cinco primeiros”, disse Hora Filho, Presidente da Confederação Brasileira do Desporto Escolar (CBDE).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários