Mãe de jovem torcedor do Flamengo atingido afirma que filho 'não quer saber de futebol' e cobra punição
Lance!
Mãe de jovem torcedor do Flamengo atingido afirma que filho 'não quer saber de futebol' e cobra punição


Os atos de racismo e violência sofridos pela torcida do Flamengo marcaram a vitória do clube carioca sobre a Universidad Católica (CHI), na quinta, por 3 a 2 em Santiago. O jovem Thiago Sepúlveda, de 10 anos, foi um dos atingidos por sinalizadores arremessados contra o setor destinado aos rubro-negros. A mãe de Thiago, Danielle Carvalho disse que o filho "não quer mais saber de futebol".

- O Thiago ficou com a marca de queimadura em volta do olho. E ele me disse: 'Mãe, eu senti algo quente'. Foi sinalizador. Saía aquela fumaça vermelha, e lançavam. Poderia ter sido pior. O médico disse que foi leve, mas por mais alguns centímetros ele poderia ficar até cego. Meu fiho está muito afetado, triste. Ele me falou: Mãe, não consigo parar de pensar. Estou com medo, não quero saber de futebol agora'. E eu não quero que ele tenha essa imagem - afirmou Danielle Carvalho, mãe de Thiago, em entrevista ao jornal "O Globo".

Danielle Santiago, que é jornalista e mora em Santiago há 14 anos, registrou ocorrência na delegacia e, agora, cobra punição aos responsáveis. Em seu relato, a mãe de Thiago reclamou da falta de apoio recebida pelos funcionários e policiais presentes no Estádio San Carlos Apoquindo.

Segundo seu relato, foram os torcedores do Flamengo que conseguiram levar Thiago para uma área segura, onde foi atendido.

- Falei que tinha visto quem foi, pedi para me levarem para prendê-lo, mas ninguém me deu confiança. Se tivessem me ouvido, ele estava preso agora. Criaram problema para eu entrar com guarda-chuva, e tinha chovido no dia anterior. Mas os torcedores da Católica tinham garrafas, pedra, sinalizador. Como entraram com isso? Não podemos normalizar mais um caso de violência. Esse torcedor tem que ser punido - completou.

As agressões à torcida do Flamengo se intensificaram na etapa final da partida. Após o jogo, tanto o Flamengo quanto a Universidad Católica se pronunciaram sobre os episóidos. Nesta sexta, a Conmebol publicou um comunicado a respeito dos recentes casos de racismo em jogos da Libertadores.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários