Série A tem menor número de times nordestinos desde 2015
Futebol Latino
Série A tem menor número de times nordestinos desde 2015


Acostumada a ter sempre uma boa parcela de nordestinos entre seus participantes, em 2022 a Série A começou desfalcada. A competição, que começou no último fim de semana, desta vez só conta com Ceará e Fortaleza como representantes da região. O número é o menor desde a edição de 2015, quando somente o Sport esteve presente na elite, e indica uma necessidade de reconstrução até mesmo de clubes de camisas tradicionais.

>Aplicativo de resultados do LANCE! está disponível na versão iOS

Para se ter uma ideia do que significa estar presente de forma sólida na Série A, é importante observar a disparidade entre os grandes do estado do Ceará e seus principais rivais. Enquanto ambos alcançaram e disputam competições internacionais, como Sul-Americana e Libertadores, estruturam o clube e se tornam cada vez mais alvos de patrocinadores, instituições como Santa Cruz (Série D), Vitória (Série C), Sport e Bahia (ambos na Série B) enfrentam dificuldades dentro e fora de campo.

À frente do Fortaleza, atual campeão da Copa do Nordeste, quarto colocado no último Brasileirão e um dos principais exemplos de gestão no futebol brasileiro, o presidente Marcelo Paz analisa o momento do futebol nordestino e destaca alguns fatores que podem ser essenciais para uma mudança de cenário:

- O nordeste possui instituições de muita tradição e força. Com certeza são grandes marcas do nosso futebol. Temos ao nosso lado, também, a paixão do torcedor. Nossos clubes contam com um povo que se faz presente, lota os estádios e que consome muito o que lhe é proposto. Acho que o sucesso da Copa do Nordeste é um grande exemplo do que é o futebol nordestino.

Ainda de acordo com Paz, mesmo com o Leão do Pici em uma posição de destaque, é fundamental que a região se fortaleça como um todo.

- Fico feliz com tudo que o Fortaleza está vivendo. É fruto de um trabalho sério, que não é de agora, mas sim de muito tempo. Mas também torço para que o nordeste esteja forte de uma forma geral. Quanto mais fortes estivermos, melhor será a troca de experiências, maior será o nível dos confrontos e das nossas competições - constatou.

Futebol cearense em alta

No embalo de Ceará e Fortaleza, várias outras equipes cearenses vão se estruturando, conquistando vagas e crescendo nas divisões inferiores do futebol brasileiro. Ao todo, já são oito equipes entre as séries A e D: Floresta, Ferroviário-CE e Atlético-CE (Série C), Icasa, Crato e Pacajus (Série D), além dos dois gigantes presentes na elite.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários