Em seu aniversário, Avancini celebra volta da Copa do Mundo de mountain bike ao Brasil
Lance!
Em seu aniversário, Avancini celebra volta da Copa do Mundo de mountain bike ao Brasil


Primeiro atleta brasileiro a alcançar a liderança do ranking internacional de mountain bike, a ganhar uma prova da Copa do Mundo, a ser campeão mundial e a ter o melhor resultado olímpico da história do país. Dono dos principais recordes do ciclismo nacional, o fluminense Henrique Avancini está prestes a dar largada a um sonho que parecia inimaginável, mas que se tornou realidade graças ao seu pedal: disputar uma etapa da Copa do Mundo, no Brasil.

Nesta quarta-feira (30), dia em que completa 33 anos de idade, o atleta celebra sua trajetória e celebra Petrópolis (RJ) como abertura de um dos maiores eventos da modalidade, a partir do próximo dia 8 de abril, após hiato de 17 anos no País.

- A volta pro Brasil e pra América Latina é um marco. Aos poucos, a comunidade internacional começou a perceber que alguma coisa significativa estava acontecendo no Brasil, a ponto da UCI [União Ciclística Internacional] ter interesse em ir pra essa nova fronteira. Quando começaram as conversas, eu fui uma espécie de representante do País, levando informações, possibilidades e coisas estruturais e de organização. E acho que o reflexo que me assusta um pouco é perceber que, aos olhos da UCI, esse fator de ser próximo a mim é extremamente importante - comenta o atleta da Cannondale Factory Racing Team ao site da Red Bull.

Natural de Petrópolis (RJ), Avancini encontrou a paixão pela bike dentro de casa, por conta do seu pai, Ruy Avancini. Os resultados vieram com o tempo, mas, por muito pouco, ele não se tornou advogado em vez de ciclista, como relembra na série ‘Until 18’. Uma viagem à Itália, entretanto, fez com que apostasse todas as suas fichas no ciclismo. Desde então, colecionou vitórias na Copa do Mundo, como o primeiro pódio, em Val di Sole (2018), primeira vitória no short track, em Vallnord (2018), e a primeira vitória no cross-country olímpico, em Nové Mesto (2020), todas com exibição ao vivo, pela Red Bull TV.

A partir de 8 de abril, Avancini se unirá ao pelotão de elite em busca da vitória em Petrópolis, cuja pista vem sendo construída por ele, do zero, desde 2015. Por conta das exigências estruturais do evento, 40% dela foi alterada visando à Copa do Mundo. A competição ainda traz um papel social importante: por meio da Semexe, no projeto ‘Pedaling for a Reason’, ele leiloará a bike utilizada no evento em prol de um projeto social. E esse ambiente o estimula não apenas de olho no lugar mais alto do pódio, mas também no legado que está deixando às próximas gerações.

- Eu ainda tenho mais alguns resultados para alcançar. Mas o meu maior sonho ainda estou construindo e vou ter que buscar até o último dia de carreira, que é deixar minha marca na história do esporte, e ter a certeza de que eu contribui para o crescimento da bike no Brasil. Isso é realmente o que me motiva, mais do que qualquer título. Eu quero ganhar muitos títulos ainda, mas com o objetivo de gerar esse efeito. Esse é meu maior sonho e eu estou vivendo ele, mas ainda tem muita coisa pra realizar - completa.

Mais longa temporada da história, a Copa do Mundo está pronta para dar a largada, no Brasil. De 8 a 10 de abril, Petrópolis (RJ) receberá a abertura da competição, após 17 anos sem uma prova no País. Na sequência, Albstadt (ALE), Nové Mesto (CZE), Leogang (AUT), Lenzerheide (SUI), Vallnord (AND), Snowshoe (EUA), Mont-Sainte-Anne (CAN) e Val Di Sole (ITA) serão as sedes do campeonato.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários