John Textor cita razões por otimismo pelo futuro do Botafogo: 'Temos fé porque estamos preparados'
Sergio Santana
John Textor cita razões por otimismo pelo futuro do Botafogo: 'Temos fé porque estamos preparados'


A mudança no Botafogo precisa começar também de maneira anímica. É assim que pensa John Textor, dono e acionista majoritário do Alvinegro. O norte-americano afirmou, durante a apresentação de Luís Castro nesta terça-feira no Estádio Nilton Santos , que o clube, passando por drásticas mudanças, dá motivos para os torcedores acreditarem em dias melhores.

+ Botafogo pretende fazer pré-temporada de 2023 nos Estados Unidos e Europa, garante John Textor

– A mentalidade do Botafogo é baseada em uma história grande, mas recentemente vem de resultados poucos ideais. Crença é algo importante. Eu acordo todo dia como um otimista. Não é suficiente apenas acreditar que as coisas darão certo, é preciso ter uma razão. Se você quiser que os fãs acreditem no Botafogo, você precisa dar uma razão para eles. Não basta apontar para o céu e dizer "nós somos o Botafogo". Temos fé porque estamos preparados, estamos confiantes daquilo que somos capazes e queremos que os fãs compartilhem tudo isso com nós. Aqui temos a evidência do que os torcedores podem acreditar: primeiro, no Brasil, tem uma mudança na lei na forma de administração dos leis que está parecendo muito mais da forma que os clubes estão sendo geridos ao redor do mundo - afirmou.



Textor afirmou que pessoas influentes nos bastidores do clube gostaram do novo modelo de gestão, o que facilitou ainda mais para o entendimento das novas diretrizes no dia a dia do Alvinegro. O dirigente também comparou o Botafogo a outras equipes do Brasil.

– Os torcedores podem acreditar que realmente está acontecendo uma mudança. Os líderes aceitaram esse desafio e estão abraçando essa mudança. Vimos a reação dos torcedores nas ruas (no dia da Assembleia Geral), mas ainda não tinha sido pela minha compra, mas sim pelo fim do modelo antigo da gestão. Naquela noite o Botafogo foi o primeiro a entrar nesta nova era do futebol. Não é era do John Textor, é uma nova era do futebol do Brasil. Terá um novo desafio dos times como SAFs e meu papel é mostrar que podemos competir e nós vamos contra o Flamengo, mostrar contra o Cruzeiro que eles não estão indo como nós. Nós estamos no caminho certo - garantiu.

O norte-americano cita a chegada de Luís Castro já como uma "virada de chave" no sentido de encarar uma mudança na mentalidade do Botafogo no mercado da bola.

– Ninguém acreditou que teríamos o Luís Castro, mas trouxemos. Ninguém acreditou que teríamos uma SAF. Mas esse é o Botafogo competindo por um treinador de qualidade. Torcedores podem acreditar na contratação de jogadores, queremos atletas da Europa e eles acreditam nesse projeto. Temos uma pequena janela nesse começo de temporada, mas é estranho porque no mundo as janelas não estão abertas, mas um passo de cada vez com as decisões tomadas, seja agora ou na próxima janela, você mudará a mentalidade com o trabalho em evidência. Por último, os jogadores não precisam pensar assim. Onze bons jogadores treinados por um bom técnico não precisam pensar em história. Eles só vão pensar em onze jogadores contra onze jogadores estando bem preparados. Eu acho que a mentalidade já está mudando um pouquinho de cada vez por dia - completou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários