Título cobiçado, desafio asiático e parceria com lenda: brasileira festeja boa fase no vôlei da Tailândia
Lance!
Título cobiçado, desafio asiático e parceria com lenda: brasileira festeja boa fase no vôlei da Tailândia


Com 1,94m, a brasileira Fernanda Tomé chegou à Tailândia em novembro do ano passado determinada a mostrar não só a força, mas também a técnica do vôlei brasileiro. Quatro meses depois, ela só tem a comemorar: adaptação rápida, bom entrosamento com as companheiras e título da Superliga Tailandesa garantido.

No último dia 6, a paulista de Penápolis foi um dos destaques da conquista do Diamond Food VC sobre o Supreme Chonburi por 3 sets a 0. A equipe perdeu apenas três partidas na temporada, todas para o adversário da decisão.

- Esse título é muito importante pra mim. É especial! Ter sido campeã diante das favoritas e do único time que ganhou de nós a temporada toda, e com um 3 a 0 é indescritível - disse Tomé, que teve o privilégio de atuar ao lado da craque tailandesa Nootsara Tomkom, considerada uma das melhores levantadoras do mundo na atualidade, em entrevista à ProSports.

- Ter a oportunidade de jogar ao lado da lenda Tomkom é sensacional! Estou vivendo um momento muito bom. O jogo asiático é bastante rápido e com muito volume de jogo - destacou a atacante de 31 anos.

Com passagens por Fluminense, São Caetano, Osasco, São Bernardo, Pinheiros e Mackenzie, Tomé foi contratada para ser um dos pilares ofensivos do time tailandês, ao lado da oposto cubana Leanny Castañeda. Mas também teve papel importante na linha de recepção.

- O time tem um ótimo nível técnico no ataque. Então, essa responsabilidade ficou um pouco dividida entre as ponteiras e a saída de rede, mas fui bastante acionada nas bolas de segurança.

- Sempre acompanhei as estatísticas para saber meu desempenho e fiquei feliz com os dados. Eu cresci diante das dificuldades e, mesmo com os meus 1,94 de altura, melhorei muito o fundo de quadra, que eu particularmente já considerava de grande valia. Também aumentei o leque de golpes no ataque, já que o volume de defesas é altíssimo - destacou a brasileira.

- As companheiras de time e a comissão técnica confiaram muito na minha capacidade de recepção. E me senti muito à vontade assim. Me saí bem em relação ao volume de jogo aqui. Com as dificuldades, veio o crescimento. Estou feliz! - disse Fernanda.

A atacante chegou ao país asiático após um imprevisto na Turquia, onde ela defenderia o Bolu Bld, mas enfrentou problemas físicos e precisou retornar ao Brasil. No país natal, seu último clube foi o Fluminense, na temporada 2020/2021. A conquista da Superliga Tailandesa, por tudo o que envolveu, teve sabor especial.

- Acredito que esse título seria pra muitos atletas, principalmente aqueles que vem de superação. Que enfrentam críticas, na esmagadora maioria, injustas. Esse título foi temperado com autossuperação e resiliência.

Adaptação à comida foi desafio

Ela também contou como fez para se acostumar rapidamente com a alimentação no novo país.

- É tudo bastante diferente de nossa cultura. Como existem muitas feiras e a comida “de rua” aqui é bastante barata, só uma minoria tem o costume de cozinhar em casa. E normalmente a comida é extremamente apimentada. Eu adoro pimenta, mas eles estão em um nível acima quando se trata disso (risos) - conta a brasileira.

- Passei a cozinhar em casa, o que nos permitiu “viver” um pouco mais perto da nossa cultura e acelerar a adaptação. A rotina de treinos aqui também é algo bastante diferente do Brasil. Treinamos em média, somando os treinos da manhã e da tarde, de sete a oito horas por dia.

Tomé foca agora na disputa do Campeonato Asiático, entre o final de abril e o início de maio, outro importante compromisso na agenda do clube.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários