Vexame do Vasco na Copa do Brasil reflete um futebol pobre e inoperante a um mês da estreia na Série B
Felipe Melo
Vexame do Vasco na Copa do Brasil reflete um futebol pobre e inoperante a um mês da estreia na Série B


Vexame! Esta é a palavra que resume a eliminação do Vasco para a Juazeirense, nos pênaltis, no Adauto Moraes . Sem conseguir se impor, o Cruz-Maltino pouco produziu ou incomodou o adversário e apresentou um futebol pobre diante de uma equipe que luta contra o rebaixamento no Campeonato Baiano . Um revés que reflete o que tem sido as últimas atuações da equipe na temporada.

Desde o primeiro minuto, o Vasco teve muita dificuldade para ser criativo, se impor sobre o adversário e construir o resultado. Mesmo com espaço, o time não soube ser letal e resolver o jogo sem sustos. No início, em um dos poucos lances de lucidez da equipe, Nene fez um lançamento preciso para Gabriel Pec. O atacante cruzou na cabeça de Bruno Nazário, que abriu o placar.



O meio de campo dos cariocas não apresentava uma construção rápida e criativa e dependia apenas de Nene ou da bola longa para as arrancadas de Pec. As principais chances do Vasco no jogo surgiram apenas de jogadas individuais e esporádicas. Não houve qualquer boa triangulação ou trama coletiva, sendo previsível e inoperante.

Antes do empate dos baianos, os visitantes tiveram a chance de ampliar, mas a cabeçada de Anderson Conceição foi para fora. Em outro momento, Weverton recebeu de Bruno Nazário e chutou forte para uma boa defesa de Rodrigo Calaça. Fora isso, a Juazeirense teve mais finalizações no primeiro tempo e um futebol mais coletivo.

O Cruz-Maltino deu campo para os donos da casa incomodarem Thiago Rodrigues. Na primeira chegada, Deysinho se posicionou na área e de cabeça obrigou o goleiro a espalmar. Com mais volume de jogo, a equipe baiana conseguiu o empate em um falha de Bruno Nazário, que não acompanhou Nilton Petrolina, e viu o lateral acertar o gol.

+ Confira e simule a tabela do Campeonato Carioca

Na volta do intervalo, nada mudou. A Juazeirense voltou a incomodar e por pouco não virou. Nildo cobrou falta em direção ao gol, Eduardo desviou, e Thiago Rodrigues salvou. Diante da pressão inicial, Zé Ricardo colocou Yuri Lara em campo. O volante deu mais segurança e se destacou nos desarmes e na cobertura.

Na frente, o técnico fez novas mexidas e entraram Figueiredo e Getúlio. Os atacante tentaram progredir na força, pela ponta, mas não conseguiram render em um time desorganizado. As dificuldades vão além da carência do elenco, visto que o adversário era menos qualificado, mas foi superior coletivamente. Zé Ricardo ainda teve tempo de colocar Luiz Henrique, mas o time não teve uma grande chance de vencer.

+ ATUAÇÕES: Vasco tem fraca atuação coletiva e está eliminado; Nene e Anderson Conceição perdem pênaltis

A realidade é que a Juazeirense esteve mais próxima da vitória no tempo normal. Nos pênaltis, Nene desperdiçou mais uma cobrança decisiva desde que retornou ao clube e Anderson Conceição também parou no goleiro Rodrigo Calaça. Um vexame que escancara velhos problemas a um mês da estreia na Série B.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários