Intensidade e equilíbrio entre defesa e ataque: como jogam os times de Vítor Pereira, favorito para assumir o Corinthians
Rafael Marson
Intensidade e equilíbrio entre defesa e ataque: como jogam os times de Vítor Pereira, favorito para assumir o Corinthians


O Corinthians está na eminência de anunciar Vítor Pereira como novo treinador do clube. Mesmo após uma recusa inicial, a diretoria alvinegra, ao ver Luís Castro escolher o projeto do Botafogo , voltou com uma oferta mais agressiva para Vítor , convencendo o técnico de 53 anos a comandar o clube do Parque São Jorge.

> GALERIA: Veja todos os técnicos estrangeiros na história do Corinthians

Conhecido por sua personalidade forte e "pulso firme" no vestiário, Vítor não têm um estilo de jogo característico. O lusitano gosta de se adaptar às características do elenco e monta o plano de jogo de acordo com o adversário que irá enfrentar.

INTENSIDADE, PALAVRA DE ORDEM PARA VÍTOR PEREIRA

Seja no Porto, ​Al-Ahli, Olympiacos, Fenerbache, 1860 Munchen ou Shanghai SIPG, Vítor quase sempre implementou dois esquemas táticos: 4-3-3 ou 3-4-3. O fio condutor nos trabalhos do lusitano é a intensidade.

Não importa o local, os times dele sempre foram conhecidos pela agressividade e intensidade, quase como um espelho do seu comportamento na beira do gramado.

Em uma entrevista coletiva antes de um duelo contra o Estoril, quando treinava o Porto, Vítor explicou o que esperava de sua equipe para superar a possível retranca montada pelo adversário, evidenciando a importância da agressividade e combatividade dos seus jogadores.

- Não é com o jogo lento, renunciado, que se consegue desestruturar ou arranjar momentos de penetração em estruturas compactas. Portanto, precisamos de agressividade ofensiva, imprimir um ritmo forte e uma transição agressiva - disse o treinador.

> TABELA: Confira e simule os jogo do Corinthians no Paulistão

OFENSIVO OU DEFENSIVO?

Por onde passou, Vítor Pereira nunca foi conhecido por ser um guru ofensivo como Jorge Jesus no Flamengo, ou um estrategista defensivo como Abel Ferreira no Palmeiras.

E isso talvez pode ser o grande trunfo dele no Timão. Com um calendário apertado e poucos dias de treino para implementar sua metodologia, o equilíbrio entre defesa e ataque, guiados pela intensidade, pode ser determinante para o sucesso do português em terras tupiniquins.

Mas, na maioria das vezes em que chegou a um novo clube, optou primeiramente por organizar o sistema defensivo, e uma defesa bem estruturada foi a forma como o Corinthians conseguiu ótimos trabalhos nos últimos anos, com Tite, Carille e Mano Menezes.

De qualquer maneira, em diversas entrevistas, o treinador deixou claro que enxerga o futebol como algo dinâmico. Dessa forma, não apenas os adversários, como também o momento de cada jogo são determinantes para suas orientações ao time.

Por isso, o próprio treinador evita colocar um rótulo para a maneira como conduz os seus trabalhos. Em entrevista ao portal Mais Futebol, de Portugal, Vítor esmiuçou detalhes do seu estilo e criou uma expressão para definir seus times.

- Isso veio para ficar. Na China jogávamos no 3-4-3 ou no 3-5-2, por vezes no 4-3-3. Na semana passada, estive em uma "webinair" e apelidei esta nova estrutura de estrutura transformer. Vivemos em uma tendência de um futebol com as linhas mais coordenadas e os espaços mais reduzidos. Com isso, precisamos nos reinventar no ponto de vista ofensivo – ponderou.

Pela flexibilidade e capacidade em montar e desmontar a estrutura do seu time durante uma partida, Vítor Pereira se assemelha ao técnico do Atlético-MG, Antonio "Turco" Mohamed, na forma de enxergar e pensar futebol.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários