Schwartzman comemora final: 'Muito feliz, mas morto de cansaço'
TÊNIS NEWS
Schwartzman comemora final: 'Muito feliz, mas morto de cansaço'


Cinco horas e trinta e cinco minutos. Foi este o tempo que esteve em quadra jogando nas duas partidas deste sábado o argentino Diego Schwartzman para se classificar à final do Rio Open.

O tenista precisou de 3h33min para derrotar o espanhol Pablo Andujar nas quartas de final e na semifinal passou pelo compatriota Francisco Cerundolo, 100º, por 7/6 (7/4) 6/3 após 2h02min.
O tenista comentou a dureza do sábado e a pouca celebração pela vaga na decisão: "Muito feliz, mas estou morto de cansaço, me custa até desfrutar pois não posso porque tenho outra partida , mas estou feliz. Ele estava jogando melhor que eu, fazendo as coisas melhores que eu , os nervos no primeiro set dele pude aproveitar e no segundo set ele caiu bastante e eu tive uma subida mental muito grande", disse o argentino que comentou sobre o pedido de atendimento médico no intervalo para o segundo set.



"Quando começou o primeiro set disse que quando terminasse o primeiro set ganhando eu ou ele pediria o fisio. Foi uma contratura de cansaço , nada mais para afrouxar, poderia pedir naquele momento pois teria mais tempo".
Ao ser questionado como suportou o dia longo, ele seguiu: "Trabalho do dia-a-dia, que não se vê, na academia, em casa, me alimentando bem , quando há que jogar seis horas quase em um dia. Todo momento estava pensando nisso , às vezes o cansaço é o cansaço, mesmo que se cometa alguns erros o jogo para os dois era muito difícil, ganhando o primeiro set pude vencer a partida pois estava um pouco melhor".
El Peque, como é chamado, comentou sobre os bons resultados da gira sul-americana com semi em Córdoba, final em Buenos Aires e a busca pelo segundo título do Rio Open que venceu em 2018: "Na Austrália tinha um problema físico que não me deixou competir no 100%, é uma pena porque o Grand Slam é o mais lindo, mas vir aqui fazer uma semifinal e final em casa, final em Brasil com sentimento das pessoas a um argentino é especular. Essas são as coisas que jogamos sempre. Jogar a final é um dos melhores do torneio".
Ao término do primeiro jogo, Schwartzman comentou em quadra reclamando do pouco tempo de descanso que teria (cerca de duas horas) , utilizando até a palavra vergonha, pontuando reclamações para a ATP. Mas após o jogo da noite o humor do jogador estava melhor: "Primeiro jogo também saí contente, não disse nada ruim, só disse que precisava de tempo para descansar para jogar, para fazer um bom espetáculo, não disse nada contra a ATP ou a ninguém e sim para poder dar um bom espetáculo, os dois teriam que ter tempo para recuperar, nada mais , era lógico".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários