Enquanto não encontra novo técnico, Corinthians conta com Fernando Lázaro contra o Mirassol
Fábio Lázaro
Enquanto não encontra novo técnico, Corinthians conta com Fernando Lázaro contra o Mirassol


No Corinthians o assunto de todos os dias é o novo técnico. Desde que demitiu Sylvinho no último dia 2 de fevereiro, o Timão busca o seu novo treinador, mas até agora não teve sucesso com os seus dois principais alvos, Jorge Jesus e Vitor Pereira. Mas enquanto o próximo comandante corintiano não chega, a equipe conta com um interino que nunca perdeu.

No último domingo (6), Fernando Lázaro comandou provisoriamente o Timão pela terceira vez na carreira e foi fundamental na virada por 3 a 2 contra o Ituano, em Itu, construída no segundo tempo - as outras duas aconteceram na Sul-Americana do ano passado, entre a saída de Vagner Mancini e chegada de Sylvinho.

Visto que no primeiro tempo o clube alvinegro teve 73% de posse de bola, mas pouco criou e foi para o vestiário perdendo por 2 a 1, Lázaro logo no intervalo promoveu a saída do Cantillo, primeiro homem do meio-campo naquela partida, e colocou Giuliano, que logo no primeiro lance, antes do relógio marcar 1 minuto da etapa final, empatou o jogo. Aos 26 minutos do segundo tempo, Fernando promoveu a entrada do garoto Gabriel Pereira na ponta direita, e na primeira jogada o atleta trouxe para dentro e cruzou na cabeça de Paulinho para virar o jogo.

Mas além do que as escolhas que deram certo em lances cruciais, Fernando Lázaro teve uma ótima leitura de jogo de que um time com a bola precisa criar. Sem o seu primeiro volante, ainda que na prática Cantillo não tenha características tão defensivas, Renato Augusto passou a iniciar as jogadas, o que refinou a saída de jogo corintiana e aproximou o time da área adversária, tendo a dupla de meias Giuliano e Paulinho encostando frequentemente por ali, tanto que foram os dois que marcaram no segundo tempo.

Nos 45 minutos finais, o Corinthians não ficou refém das jogadas de velocidade de Mosquito e Róger Guedes, mas as teve quando necessário. E quando Willian entrou, aos 15 minutos do segundo tempo, no lugar do próprio Gustavo Mosquito, a transição ofensiva do Timão qualificou muito.

Lázaro não quer assumir o Corinthians, tampouco a diretoria pensa nessa hipótese. Também não há uma frente dentro do elenco ou do clube de uma forma geral que fortaleça esse quórum. No momento, Fernando, que é filho de Zé Maria, ídolo corintiano da década de 80, entende que contribui mais na construção de processos internamente, mas não descarta buscar futuramente uma ascensão para o cargo de treinador.

Aos 40 anos, Fernando Lázaro tem uma ótima relação com o Timão, que vai além do símbolo que o pai do profissionai tem com o clube, é que o interino corintiano cresceu no Parque São Jorge. Educador físico de formação, Lázaro começou no Corinthians no departamento de informática, em 1999, e saiu analista de desempenho do time, em 2016, sendo, inclusive, um dos responsáveis por implantar a análise na equipe alvinegra.

Entre 2016 e 2021 teve um hiato do Timão, e durante o tempo passou primeiramente como analista de desempenho da Seleção Brasileira, integrado à comissão técnico da de Tite, e posteriomente com auxiliar-técnico de Sylvinho, recém-demitido do Corinthians, no Lyon, da França.

> GALERIA - Veja todos os técnicos estrangeiros na história do Corinthians
> TABELA - Confira e simule os próximos jogos do Peixe no Paulistão


O seu retorno ao Parque São Jorge, no entanto, se deu antes da contratação de Sylvinho, no segundo semestre do ano passado, mas aconteceu para que Fernando Lázaro se tornasse o responsável pelo Centro de Inteligência de Futebol (Cifut) corintiano, função que ele exerceu até a contratação de Sylvio, que o levou novamente para o campo, para ser auxiliar técnico.

A ideia no Timão é manter Lázaro próximo aos processos de campo, como uma espécie de auxiliar técnico fixo do clube. Por isso, a diretoria torce o nariz para técnicos que pensam em trazer uma grande comissão, pois entende-se que a equipe corintiana é qualificado e pode dar um grande suporte para o profissional que chegar. Inclusive, esse foi um dos motivos, ainda que não principal, para que as conversas com Vitor Pereira não evoluíssem. Além de não se mostrar animado para dirigir um clube na América do Sul, pois acredita ter mercado na Europa, Vitor tem uma equipe de auxiliares grande, que custaria cerca de R$ 2 milhões em salários por mês e culminaria no descarte de alguns funcionários que estão atualmente no Corinthians e tem os seus trabalhos reconhecidos.

De toda forma foi Fernando Lázaro quem fez toda a preparação do Timão para encarar o Mirassol, nesta quinta-feira (10), às 21h30, pela quinta rodada do Paulistão, e será ele quem comandará o clube na beirada do campo, tanto nesse jogo, quanto em todos os demais enquanto a diretoria corintiana não anunciar o novo técnico da equipe.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários