Luiz Adriano deve ser negociado com o Botafogo
Divulgação
Luiz Adriano deve ser negociado com o Botafogo

O futuro de Luiz Adriano (veja fotos na galeria abaixo) será longe do Palmeiras, e o Botafogo aparece como um possível destino. Representantes do jogador se reuniram com Anderson Barros na manhã desta quinta-feira e ouviram uma negativa sobre a possibilidade de uma reintegração ao elenco alviverde.


Diante das respostas, Luiz Adriano aceitou ser emprestado para outra equipe e viver novos ares - outrora, o ex-camisa 10 havia recusado sair do Palmeiras. Então, o Botafogo voltou ao radar para um possível destino do jogador. Vale lembrar que ele havia sido oferecido ao Glorioso, mas as conversas estagnaram.

O Botafogo monitora o jogador, mas não pode pagar a totalidade dos salários dele - cerca de R$ 1,2 milhão por mês. O Alvinegro só tem interesse com uma divisão com o Palmeiras arcando pelo menos 70% dos vencimentos.

Vale lembrar que o Verdão precisa arcar com pelo menos 65% dos valores no caso de empréstimos nesses moldes, de precisar pagar parte dos vencimentos, porque o salário do atacante inclui as luvas pagas pela equipe na época da contratação.

Com a saída de Rafael Navarro, que fechou justamente com o Verdão, o Glorioso busca um centroavante no mercado. Um nome experiente é o que a diretoria busca, já que o clube tem acerto encaminhado com Erison, de 22 anos, um dos destaques do Brasil de Pelotas na última Série B.

Leia Também

Há, contudo, companhia. O Cerro Porteño-PAR também tem interesse em Luiz Adriano. Como o Palmeiras tem muito interesse em negociar e o jogador não tem espaço com Abel Ferreira, a decisão final basicamente ficará na conta do estafe do atacante.

Luiz Adriano fez apenas cinco gols em 35 partidas pelo Verdão no ano passado. Seu destino foi selado de vez após passar a reagir às vaias e ofensas da torcida nos jogos no Allianz Parque.

No fim de 2021, o atacante chegou a ser sondado por clubes como Internacional, Grêmio e Fluminense, mas Leila queria adotar a política do Palmeiras não bancar parte do salário de atletas emprestados.

Como viu que não funcionaria para se livrar de peças não mais úteis no elenco, a diretoria voltou atrás e, por exemplo, topou ceder o meia Lucas Lima, outro "dispensado" do grupo, ao Fortaleza por mais um ano bancando mais que 70% de seus vencimentos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários