Faixa-preta brasileiro, Marcio Alicate comenta o poder de transformação do Jiu-Jitsu: 'Muda vidas'
TATAME
Faixa-preta brasileiro, Marcio Alicate comenta o poder de transformação do Jiu-Jitsu: 'Muda vidas'


Atualmente em San Antonio, Texas (EUA), onde treina e vive com a esposa, Marcio Alicate é um faixa-preta que tem ganhado cada vez mais destaque no cenário norte-americano, seja pelas conquistas, e/ou pelo trabalho que fez quando foi professor da Level Up Brazilian Jiu-Jitsu – equipe criada pelo norte-americano Erik Klinger.

Nos Estados Unidos desde 2017, quando desembarcou para disputar o Campeonato Mundial Master daquele ano, o brasileiro tem acumulado títulos. Campeão mundial No-Gi em 2018 como faixa-marrom, Marcio Alicate iniciou “tarde” na modalidade, aos 26 anos, mas mesmo sem o apoio de parte família, superou as adversidades para brilhar.

- Quando comecei a treinar não tinha nenhuma ambição de viver do Jiu-Jitsu ou de mudar de país, iniciei apenas para praticar alguma atividade física e desestressar depois do trabalho, e assim fui treinando três vezes na semana. Depois de 3 meses participei da minha primeira competição. Perdi, mas vi que eu tinha futuro. Mesmo já tendo 26 anos, ainda me sentia jovem e com muito vigor. Quando peguei a faixa azul decidi largar meu trabalho e me dedicar somente ao Jiu-Jitsu. No começo todos da minha família e da minha esposa acharam loucura e ficaram apreensivos, não tive muito apoio, mas a Ana Paula sempre me apoiou e por isso tem dado certo até hoje. Somos um time - declarou Marcio Alicate ao falar sobre a sua trajetória.

Além da carreira competindo nos tatames, o atleta também acumulou experiência como professor de uma das filiais da Level Up por um longo período nos EUA. Uma prova viva do poder do Jiu-Jitsu de transformar vidas, Marcio Alicate agora quer servir de inspiração para outras pessoas que estão iniciando na modalidade:

- Uma das minhas metas é ser campeão mundial na faixa-preta. Também quero inspirar outras pessoas assim como eu a mudarem de vida, a buscarem algo melhor sempre - afirmou.

Apelidado como Alicate ainda como faixa-branca pela guarda forte que apresentava nos treinos, Marcio tem entre os principais títulos na carreira, ainda como marrom, dois ouros em Pan-Americanos, o já citado ouro no Mundial No-Gi, além de conquistas no Europeu, American Nationals e diversos Opens. Já na faixa-preta, o atleta soma como grande feito a recente medalha de prata no Mundial No-Gi do ano passado.

Natural da cidade de Osasco, em São Paulo, Marcio Alicate atualmente está com 37 anos e foi graduado faixa-preta pelo mestre Erik Klinger e Lino Cotti Palito. Questionado sobre a experiência de ministrar aulas para crianças e adolescentes, ele falou da importância da modalidade:

- O contato que o Jiu-Jitsu cria entre as pessoas gera uma forma de confiança e vínculo enorme, uma criança quando entra no Jiu-Jitsu tem como base a disciplina, respeito, lealdade, honra e confiança. Uma criança quando começa a treinar Jiu-Jitsu adquire mais confiança em si mesma e com isso começa a ver que é capaz de realizar tarefas que antes não acreditava, começa a ter um comportamento diferente dado a disciplina que o esporte promove, passa a ser mais respeitosa em todos os aspectos. O grande diferencial do Jiu-Jitsu é a disciplina e confiança que promove, são fundamentais - finalizou sobre a arte suave e o seu poder de transformação.

Dentre as conquistas recentes de Marcio Alicate estão os ouros nos Opens de Nashville, Charlotte e Phoenix da IBJJF. Ativo nos treinos e nas competições, o atleta espera dar sequência à carreira aumentando a coleção de títulos na arte suave em 2022.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários