Parceria com Allan Góes e Fabrício Werdum muda história de faixa-preta brasileiro nos EUA
TATAME
Parceria com Allan Góes e Fabrício Werdum muda história de faixa-preta brasileiro nos EUA


Assim como muitos brasileiros apaixonados por lutas, Marcello Frauches, hoje aos 41 anos, viu na chance de ir para os Estados Unidos uma forma de mudar a sua vida. Faixa-preta 3º grau de Jiu-Jitsu e formado em Educação Física, além de pós-graduado em treinamento funcional e recuperação muscular, Marcello atualmente mora na Califórnia, onde atua na equipe BTT e comanda treinos na academia Total MMA Studio.

O primeiro contato de Marcello Frauches com o mundo das artes marciais aconteceu quando ele ainda tinha 16 anos. E após começar no Kickboxing, o atleta vivenciou toda a rivalidade entre Jiu-Jitsu e Luta Livre na década de 90. Desde então, se dedicou até receber a faixa preta em 2011 e, três anos, concluiu a faculdade e começou a trabalhar como preparador físico.

Ao longo da sua trajetória, o casca-grossa ainda realizou diversos cursos, buscando sempre ser uma referência no meio até que, em 2017, surgiu a oportunidade de iniciar um projeto no extinto CT Brasil, no Rio de Janeiro. Por lá, Marcello Frauches comandou uma equipe multidisciplinar e ajudou na formação de diversos atletas de ponta.

- A experiência na academia CT Brasil foi um divisor de águas na minha carreira, onde tive a oportunidade de implantar e dirigir um projeto que era um sonho pra mim. Atuamos com uma equipe multidisciplinar com orientação nutricional e psicológica, fisioterapia e educador físico. Eu tenho certeza que ajudamos de alguma forma na projeção de muitos atletas que hoje atuam no mercado das lutas no Brasil e também no exterior - disse o faixa-preta, que no fim de 2018 se mudou para os Estados Unidos em busca de voos mais altos.

- A ideia de mudar para os Estados Unidos começou com a minha esposa, que sempre me incentivou e dizia que eu deveria vir para a América do Norte por causa da minha paixão pelas lutas. Ela já foi atleta bolsista aqui, jogou Vôlei de Praia na Flórida, então sabia que eu teria chances de me projetar e construir um novo legado. A única coisa que me arrependi foi de não ter dado tanta importância para aprender a falar inglês antes. No início tive uma dificuldade muito grande de atuar na minha área. Eu trabalhei como ajudante de mudança e lavador de pratos, pois precisava gerar receitar e desenvolver a minha conversação - completou.

A “virada de chave” para Marcello Frauches veio após um ano nos EUA, quando ele conheceu a fera Allan Góes – pupilo do lendário Carlson Gracie. Na sequência, teve a chance de trabalhar como professor voluntário e conhecer Fabrício Werdum, ex-campeão peso-pesado do UFC, e fazer novas conexões até chegar ao seu estágio atual.

- Eu cresci admirando esses caras, então foi uma experiência fantástica. Quando eu era faixa-branca o Allan já lutava na antiga IFL, teve passagem pelo PRIDE, e o Werdum a mesma coisa. Tive a oportunidade única de me tornar amigo dos meus ídolos no esporte. A partir daí, conheci os faixas-preta Juliano Prado e Adriano Nasal, formados pelo Murilo Bustamante e donos da academia Total MMA Studio em Orange County, na Califórnia, onde venho atuando como preparador físico e professor de Jiu-Jitsu há dois anos - encerrou Marcello Frauches, que ainda espera realizar grandes feitos no mundo das lutas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários