Torcedores do Flamengo relatam caso de racismo em churrascaria em Santa Catarina
Lance!
Torcedores do Flamengo relatam caso de racismo em churrascaria em Santa Catarina


Dois torcedores do Flamengo que retornavam da final da Libertadores em Montevidéu para o Rio de Janeiro relataram um suposto caso de racismo em uma churrascaria de Santa Catarina. Ao jornal 'O Globo', o analista Sidnei Máximo e o cantor Gerson Mello contaram que foram barrados do restaurante por falta de comida mas que colegas do mesmo ônibus estavam no local.

> Confira a classificação atualizada do Brasileirão 2021 e simule as rodadas!

- Duas pessoas que organizaram o evento desceram do ônibus e confirmaram que tinha lugar e era um local confortável. Então elas entraram para se servir. Quando eu e meu amigo fomos para a porta do restaurante, o funcionário fechou a porta e disse: 'Só um minuto que vou ver se tem vaga e refeição para todos'. Falou que não tinha e ainda ligou para a polícia - contou Sidnei Máximo.

Em vídeo compartilhado nas redes sociais, a dupla mostra a confusão dentro do restaurante, com oficiais da Polícia Federal e um funcionário do estabelecimento. Na gravação também é possível ver mesas vazias e algumas pessoas comendo.

- As pessoas que estavam lá dentro disseram que o buffet estava cheio. Pedi para entrar, ele fechou a porta e não deixou. O policial falou que não podia porque era um estabelecimento privado. O espanto dele [funcionário] não foi o grupo. Tinha mais dois ônibus lá, e as pessoas estavam se alimentando. Depois ele falou que ia encher. Todos os argumentos não condizem - explicou Gerson Mello.

Em nota, o restaurante disse que já tinha fechado o estabelecimento e não estava esperando receber mais um ônibus de torcedores. A churrascaria também afirmou que o não houve discriminação racial na confusão.

- Fomos pegos de surpresa, quando o ônibus parou na frente do estabelecimento e alguns passageiros, sem educação alguma, já foram abrindo a porta do estabelecimento que estava encostada e foram adentrando e automaticamente se servindo, sem sequer pegar a comanda. Já tínhamos atendido 2 ônibus, quando chegou o terceiro com esses passageiros alterados. Não teve nenhum ato de racismo contra eles - afirmou a churrascaria.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários