Após vice, Renato Gaúcho repete frases e deixa futuro nas mãos da Flamengo: 'No Brasil, só é bom quem ganha'
Lance!
Após vice, Renato Gaúcho repete frases e deixa futuro nas mãos da Flamengo: 'No Brasil, só é bom quem ganha'


Após a derrota para o Palmeiras na decisão da Libertadores, neste sábado, por 2 a 1 no Estádio Centenário , em Montevidéu, o técnico Renato Gaúcho voltou a citar os problemas físicos da equipe, "decisões a cada três dias", e que é "mais fácil destruir do que construir" no futebol, em diferentes respostas na coletiva. Sobre o futuro no Flamengo , o treinador deixou a resposta à direção do clube.

- Nessas horas é difícil falar. Nesse tempo, procurei dar o máximo de mim, juntamente com o grupo. O contrato termina dia 30 (de dezembro). Essa pergunta é para o presidente do clube, Marcos Braz, diretoria. A decisão é do Flamengo - respondeu o treinador Renato Gaúcho, antes de complementar:

- É fácil vir as críticas nessas horas. Estamos acostumados. Nos últimos meses, com três competições, com vários jogadores no departamento médico, com decisões a cada três jogos e tínhamos que vencer. Pagamos um pouco caro por isso. Tivemos que deixar o Brasileiro com um time diferente para recuperar todos para a final. O resultado, que era o título, não conseguimos. Não faltou luta, entrega, mais de 80 partidas no ano, enfrentamos uma grande equipe. Só um sairia vencedor. O torcedor pode ficar tranquilo que tudo que poderia ser feito foi feito. Não vamos culpar o Andreas. Se alguém culpado aqui sou eu.

Confira outras respostas do técnico Renato Gaúcho, do Flamengo:

Balanço da temporada sem os títulos do Brasileirão, Libertadores e Copa do Brasil


Na vida se perde e ganha, ainda mais se tratando de uma decisão. Em todos clubes se faz investimentos e se busca o título. Esse é um grupo vencedor, infelizmente não conseguimos nessas últimas competições. Tem que dar sequência. Nenhum time vai ganhar tudo. Os adversários também querem ganhar, mas não posso deixar de falar que esse é um grupo vencedor.

Impacto do gol cedo e escalação do Palmeiras

Treinamos a semana toda essa jogada do Palmeiras. Não surpreendeu o Scarpa pela esquerda. Eu treinei a equipe para enfrentar uma linha de cinco. Não foi surpresa. Infelizmente, encontraram esse espaço, fizeram gol no início e isso deu uma tranquilidade, uma confiança maior para eles. Conseguimos o empate, e, no nosso melhor momento, infelizmente cometemos um erro e sofremos o segundo gol. Buscamos o segundo gol, mas não deu.

Dificuldades na produção ofensiva


No futebol, é muito mais fácil destruir do que construir. O Palmeiras tem a maneira de jogar. Jogou com cinco atrás, mudou para enfrentar o Palmeiras, teve o contra-ataque muito rápido. Tomamos o gol no início, jogamos no ataque o jogo todo, praticamente, e tivemos chances. O que mais queriam era fazer o gol no inicio e conseguiram. Eu gostei da minha equipe. Repito, no futebol, destruir é fácil, construir é difícil.

Críticas

Nós estamos tristes, o torcedor também. Se o Flamengo tivesse ganho, estariam me perguntando se eu renovaria o contrato. Como não ganhou, já não é bom. Estou vacinado com isso. Dei o exemplo de 2008, quando fui vice com o Fluminense. Perdemos a final. Até então, eram todos bons. Depois, ninguém prestava. Vão nos criticar. No Brasil, só é bom quem ganha. É da maneira que sempre trabalhamos aqui. Tenho esperança que isso melhore, mas acho muito difícil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários