No reencontro com Carille na Arena, Corinthians tenta superar marca de 2017 do seu ex-técnico e entrar no G4
Rafael Franco
No reencontro com Carille na Arena, Corinthians tenta superar marca de 2017 do seu ex-técnico e entrar no G4


Ironia do destino. Com um pouco deste sentimento, no seu reencontro com o técnico Fábio Carille, o Corinthians vai receber o Santos neste domingo, às 16h, na Neo Química Arena , onde tentará conquistar a sua sétima vitória seguida em casa no Campeonato Brasileiro. Se alcançar este objetivo, o Alvinegro vai superar uma marca de seis triunfos consecutivos que obteve anteriormente sob o comando justamente do atual treinador do Peixe, em 2017 , quando engrenou na campanha rumo ao seu sétimo e último título nacional.

TABELA
> Veja classificação e simulador do Brasileirão-2021 clicando aqui

> Conheça o aplicativo de resultados do LANCE!


GALERIA
> Veja até quando vai o contrato de cada jogador do Corinthians

E se bater o time santista, que não vence o adversário desde 2015 no estádio corintiano , o Timão vai entrar no G4 do Brasileirão. Com 50 pontos, a equipe caiu do quinto para o sexto lugar após a vitória do Fortaleza sobre o Palmeiras na noite do último sábado. Porém, poderá ultrapassar o clube cearense e o Red Bull Bragantino, respectivos quarto e quinto colocados, ambos com 52 pontos, em caso de um novo triunfo no complemento desta 34ª rodada da competição.

Ao bater o Cuiabá por 3 a 2 no último 13, em Itaquera, o Corinthians igualou a série de seis vitórias seguidas obtida sob o comando de Carille há quatro anos. Na época, a equipe corintiana superou Santos, São Paulo, Cruzeiro, Grêmio, Botafogo e Ponte Preta em sequência na Arena, entre junho e julho de 2017, para depois faturar a taça do torneio com três rodadas de antecedência.

Entretanto, quando buscou o sétimo triunfo consecutivo em seu estádio, o Timão acabou empatando por 2 a 2 com o Athletico-PR em partida pela 14ª rodada daquele Brasileirão. E o fato permite que agora o técnico Sylvinho quebre a marca do atual treinador do Peixe e consequentemente coloque o seu time na zona de classificação direta à fase de grupos da Copa Libertadores.

A maior série de vitórias seguidas do Alvinegro até hoje em Itaquera foi alcançada em 2016, quando derrotou 12 adversários nos 12 primeiros jogos que fez na Arena naquele ano, mas esta longa sequência não aconteceu em partidas do Campeonato Brasileiro, considerado o mais forte do País.

EM BUSCA TAMBÉM DO 10º JOGO INVICTO EM CASA

Além de ir atrás da sétima vitória consecutiva como mandante, o Corinthians vai defender uma invencibilidade de nove partidas sem derrotas em Itaquera. O time não perde um jogo em seu estádio desde o dia 1º de agosto, quando foi superado pelo Flamengo por 3 a 1, pela 14ª rodada deste Brasileirão. E nesta série de nove duelos invicto em casa, contabilizou sete triunfos e dois empates.

E se não for derrotado pelo Santos neste domingo, o Alvinegro vai ficar perto de igualar a sua última maior invencibilidade em seus domínios, alcançada em 2019, quando ficou 11 jogos sem perder em Itaquera, entre maio e setembro, período em que acumulou sete vitórias e quatro empates em sua casa.

VELHOS CONHECIDOS, SYLVINHO E CARILLE SE REENCONTRAM COMO RIVAIS

O clássico deste domingo vai marcar o reencontro entre Sylvinho e Carille, que trabalharam juntos como auxiliares no Corinthians entre 2013 e 2014, período em que a equipe teve Tite e Mano Menezes como treinadores. Pela primeira vez os dois jovens comandantes vão se enfrentar. E em um duelo entre dois profissionais que têm muitas coisas em comum em suas trajetórias no futebol.

Assim como o comandante corintiano, de 47 anos, o treinador do Peixe, de 48, é um ex-lateral-esquerdo e os dois deram no Timão os passos iniciais como auxiliares para depois trilharem as suas carreiras de técnicos. E os dois atuaram juntos como jogadores do Alvinegro. Em 1995, quando Sylvinho era o jovem titular da lateral esquerda corintiana, Carille também fazia parte do elenco da equipe, com a qual foram campeões do Paulistão e da Copa do Brasil daquele ano, antes de o então reserva da posição deixar o clube já em 1996.

- As lembranças do Fábio são as melhores. Tivemos um bom tempo trabalhando como auxiliares técnicos da casa. Pessoa magnífica. É bom poder falar dele, mas, enfim, é jogo, campeonato, é trabalho e profissão. Por mais que se toque no nome, por mais que com bastante carinho pelo Fábio, a dimensão do jogo é altíssima, então não cabe nem comparações - disse Sylvinho, na última quarta-feira, após a derrota para o Flamengo, ao projetar o clássico.

- Ali vai estar jogando Corinthians contra Santos, duas equipes extraordinárias, em um palco e cenário maravilhoso, e o que vale é profissão, é trabalho. Mas o Fábio é uma pessoa encantadora, estivemos juntos um bom tempo, como já falei - reforçou o comandante, lembrando da sua boa relação com o hoje rival.

Outro que reencontrará Carille neste domingo é o atacante Jô, que foi o artilheiro daquele Brasileirão que o Corinthians conquistou em 2017. Na última sexta-feira, em entrevista coletiva, o jogador exaltou a importância que o atual comandante do Santos teve para a sua carreira naquele ano e em 2016.

- Vai ser um reencontro bom, é um prazer encontrar o professor Fábio Carille, que é um cara que me ajudou muito aqui no clube naquela minha chegada aqui em 2016 e também em 2017. Vou dar um abraço apertado nele. Gratidão a gente sempre tem de ter, pela confiança que ele depositou em mim naquela circunstância. Aquele ano (2017) foi um dos melhores da minha carreira - disse.

WILLIAN VOLTA, MAS GIULIANO E CANTILLO SÃO BAIXAS

Neste reencontro com o seu velho conhecido, Sylvinho contará com o retorno do meia-atacante Willian, que voltou a ser relacionado para uma partida 38 dias depois de ter lesionado a coxa esquerda no jogo contra o Fluminense, em 13 de outubro. Por causa do problema, ele desfalcou o Alvinegro em sete confrontos do Brasileirão. E como ainda recupera a melhor condição física e o ritmo de jogo, deve iniciar este clássico como reserva e entrar no decorrer da partida.

Mas, se por um lado voltará a ter Willian, por outro Sylvinho perdeu o meia Giuliano para a continuidade desta reta final da competição. O jogador lesionou a coxa direita contra o Flamengo, na última quarta-feira, no Maracanã, e na sexta o clube informou que ele precisará de três semanas de recuperação. Sem o titular, o treinador deverá confirmar Du Queiroz como substituto, pois ele já entrou no lugar do companheiro de equipe no duelo no Rio de Janeiro.

Outro desfalque corintiano é o volante Cantillo, que também lesionou a coxa direita, mas em confronto da seleção colombiana pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022. O seu problema não é grave, mas ele não treinou nos últimos dias após se reapresentar ao clube, onde só ficou em tratamento. E no sábado, como já era esperado, foi confirmado como baixa diante do Santos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários