Nikão comemorando seu gol, que deu o título da Sul-Americana ao Athletico
Gustavo Oliveira/athletico.com.br
Nikão comemorando seu gol, que deu o título da Sul-Americana ao Athletico



Os privilegiados torcedores do Athletico-PR que estiveram no Estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai, puderam ver mais uma página da história sendo escrita com a vitória por 1 a 0 sobre o Athletico-PR, faturando sua segunda Copa Sul-Americana em três anos. Com um golaço de voleio de Nikão, os rubro-negros abriram o placar e tiveram experiência para segurar o placar para levantar a taça, enquanto o Massa Bruta ficou abaixo do esperado.

Bragantino começa bem, mas Athletico-PR fica em vantagem no 1º tempo

O primeiro tempo da final começou como já era esperado, com o Massa Bruta tomando conta da posse de bola e o Furacão tentando aproveitar os contra-ataques. As primeiras chances foram do time de Bragança, as duas com Artur, as duas sem muito perigo: uma por cima do gol e a outra tranquila para Santos defender. Somente aos 17, os rubro-negros responderam com chute cruzado do uruguaio David Terans, que Cleiton defender sem grande dificuldade.

A partir daí, o jogo melhorou e teve uma sequência de boas chances. Aos 19 minutos, Cuello cobrou escanteio e tentou o gol olímpico, mas Santos evitou. No rebote, Cuello tentou um chute colocado e a bola passou muito perto, mas saiu pela linha de fundo. Em seguida, David Terans arriscou de fora da área e exigiu defesa complicada de Cleiton, que espalmou para longe do gol.

Naquele momento, o Athletico-PR já havia melhorado e conseguia ter mais espaço. Em um desses ataques, Aderlan não conseguiu cortar inversão de jogo e a bola ficou para Terans, que chutou cruzado e Cleiton defendeu, mas no rebote Nikão pegou de voleio e marcou um golaço para abrir o placar. O tento acabou levando o controle mental da partida para a equipe paranaense.

No fim do primeiro tempo, o Red Bull Bragantino tentou apertar para empatar antes do intervalo. Ytalo teve chance de cabeça, mas Santos pegou fácil, depois Helinho finalizou para outra defesa de Santos. O time de Maurício Barbieri ainda teve mais uma chance e jogada ensaiada de bola parada, mas não teve sucesso e a etapa inicial terminou com vantagem para o clube rubro-negro.

Red Bull Bragantino controlou a bola e não o jogo: Furacão campeão

As equipes voltaram do intervalo sem alterações, mas com posturas bem definidas para jogar o segundo tempo. O Red Bull Bragantino foi para cima desde o início para tentar um empate rápido, mas encontrava uma defesa bem postada do Athletico-PR, que tirava tudo o que podia. Aos 11, o Furacão chegou em lance de contra-ataque, quando Nikão lançou para Terans na área, que ajeitou de peito para Léo Cittadini, mas a finalização foi para fora do gol.

Precisando correr atrás do placar, o Massa Bruta não tinha outra alternativa a não ser partir para cima, mas esbarrava nas dificuldades para criar e na boa defesa do Athletico. Aos 20 minutos, Edimar chegou pela esquerda e cruzou para Ytalo, que fez o pivô e tocou para Artur, que tentou chute colocado, mas sem sucesso. A partir daí, as equipes começaram as substituições.

Na reta final da partida, já demonstrando nervosismo, o Red Bull Bragantino já não conseguia concatenar as jogadas de ataque e passou a arriscar os cruzamentos, que eram facilmente afastados pela zaga paranaense. Embora tivesse o controle da bola, a equipe de Bragança não tinha o controle do jogo, que ficou todo para o Furacão administrar sua vantagem até o apito final. Leandrinho ainda teve uma chance para empatar, mas cabeceou para fora.

Se deu melhor quem teve mais experiente e domínio mental para levar a decisão. Dessa forma, o Athletico-PR faturou mais um troféu para sua coleção, o segundo da Copa Sul-Americana em um intervalo de três anos. O caminho para se tornar um dos maiores do país já está bem traçado e neste sábado, em Montevidéu, o clube pavimentou mais um pouco dessa trajetória vitoriosa.

FICHA TÉCNICA
ATHLETICO-PR 1 x 0 RED BULL BRAGANTINO

Local: Estádio Centenário, em Montevidéu (URU)
Data-Hora: 20/11/2021 - 17h
Árbitro: Andrés Matonte (URU)
Assistentes: Martin Soppi (URU) e Carlos Barreiro (URU)
VAR: Andres Cunha (URU)
Público/renda: Não divulgados
Cartões amarelos: Erick, Abner e Léo Cittadini (APR) Aderlan e Fabrício Bruno (RBB)
Cartões vermelhos: -
Gols: Nikão (28'/1ºT) (1-0)

ATHLETICO-PR: Santos; Pedro Henrique, Thiago Heleno e Nico Hernández (Zé Ivaldo, aos 30'/2ºT); Marcinho, Erick (Fernando Canesin, aos 36'/2ºT), Léo Cittadini (Nicolas, aos 49'/2ºT) e Abner; Nikão, David Terans (Christian, aos 30'/2ºT) e Renato Kayzer (Pedro Rocha, aos 30'/2ºT). Técnico: Alberto Valentim.

RED BULL BRAGANTINO: Cleiton; Aderlan, Fabrício Bruno, Léo Ortiz e Edimar (Luan Cândido, aos 31'/2ºT); Jadsom, Praxedes (Gabriel Novaes, aos 36'/2ºT) e Cuello (Alerrandro, aos 36'/2ºT); Artur (Leandrinho, aos 42'/2ºT), Helinho e Ytalo (Hurtado, aos 42'/2ºT). Técnico: Maurício Barbieri.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários