Coutinho, Antony ou Vini Jr? Quem pode ganhar espaço na Seleção com a ausência de Neymar
Fábio Lázaro
Coutinho, Antony ou Vini Jr? Quem pode ganhar espaço na Seleção com a ausência de Neymar


Neymar sentiu um desconforto muscular no último treino da Seleção Brasileira antes do clássico contra a Argentina, nesta terça-feira (16), às 20h30, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, e nem viajou para a San Juan. A ausência do principal jogador do Brasil abre uma lacuna: quem será o substituto diante dos 'hermanos'?

No sistema ofensivo, o técnico Tite trabalha com duas características: os atacantes em extremos e os meias pelo lado. E dependerá justamente da estratégia traçada pelo treinador a opção escolhida para a partida.

Como Neymar relatou o problema no adutor da coxa esquerda após atividade realizada no CT do Palmeiras na manhã da última segunda-feira (15), a escolha da comissão técnica será estritamente no 'olhômetro' e conversa, já que a delegação brasileira não treinará na Argentina.

Se a opção for manter uma ideia de jogo, a tendência é que Philippe Coutinho seja o escolhido para ocupar a opção de Neymar, já que o camisa 11, que não era convocado há um ano, possui características semelhantes as de Ney, podendo tanto jogar como um articulador pelos lados, quanto como um armador centralizado.

Autor do gol que deu a vitória ao Brasil contra a Colômbia, na última quinta-feira (11), e que consequentemente garantiu a classificação da Seleção Brasileira à Copa do Mundo de 2022, Lucas Paquetá conseguiria manter a sua linha de atuação, pelo menos do início do jogo contra os colombianos, caso Coutinho seja o escolhido de Tite, pois conseguiria alternar a atuação como central e o lado esquerdo, já que dificilmente cairá como um 'falso nove', pois a tendência é que Gabriel Jesus, que atua como centroavante e ponta, perca a posição para Matheus Cunha, que é jogador mais fixo na grande área.

Contudo, esse diálogo em campo que Paquetá e Neymar vem desenvolvendo e tem dado muito certo teria que ser criado instintivamente caso Philippe Coutinho simplesmente entrasse no lugar do camisa 10 da Seleção.

Outro fator que pode colaborar com a entrada de Coutinho é que no chamado 'treino fantasma', onde Tite instrui movimentações e posicionamentos com o time que levará a campo, sem um adversário, o auxiliar Cléber Xavier faz o mesmo trabalho com os reservas, para que ambos estejam preparados em relação as estratégias do jogo em questão.

No entanto, o desempenho do Brasil no segundo tempo contra a Colômbia pode ser um trunfo para que um atleta mais veloz de ponta possa ganhar espaço e a titularidade contra a Argentina, e aí Vinicius Júnior e Antony crescem na disputa.

Na etapa final contra os colombianos, Vini Junior entrou no lugar de Fred, ficou fixo pelo lado esquerdo, local onde há a lacuna coma saída de Neymar, durante todo o período em que jogou. Paquetá se tornou um meia central.

Vini jogou bem contra a Colômbia e a dinâmica da etapa final foi melhor do que o primeiro tempo. No entanto, o que pode jogar contra a entrada de Vini é justamente o fato de que para isso acontecer Tite teria que mudar a ideia que vem trabalhado nos últimos dias apenas na conversa, e não no treinamento.

Ainda que tenha mantido mistério no último treino antes do clássico contra a Argentina, o penúltimo trabalho, realizado no domingo (14), mostrou as possibilidades que a Seleção deve levar a campo em San Juan, até mesmo com as entradas de Fabinho, como volante, no lugar do suspenso Casemiro, do zagueiro Éder Militão no lugar de Thiago Silva, e o atacante Matheus Cunha na vaga de Gabriel Jesus, por opção da comissão técnica.

Por fora corre Antony. Com a boa entrada no segundo tempo contra os colombianos, combinado a atuação abaixo da média de Raphinha, a expectativa é que o atleta ex-São Paulo ganhasse uma oportunidade como titular diante da Argentina. Mas nos treinamentos, Tite, a princípio, manteve Raphinha.

Como Antony costumeiramente joga pelo lado direito, dificilmente será ele o escolhido para a vaga de Neymar.

Já classificado para o Mundial no Qatar, TIte já disse publicamente que trata duelos como os contra Colômbia e Argentina como testes para a Copa, já que acredita que essas seleções estarão classificadas. Portanto, situações como a atual, de lesão do Neymar, é importante para que o treinador brasileiro esboce como 'tirar coelhos da cartola' em situações adversar como essa em meio a uma competição em tiro curto, como será o torneio no Qatar daqui a um ano.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários