Gestores do Santos são alvos de pedido de suspensão interna após serem punidos pelo STJD
Lance!
Gestores do Santos são alvos de pedido de suspensão interna após serem punidos pelo STJD

Conselheiros da ala de oposição à atual gestão do Santos protocolaram nesta segunda-feira (21) o pedido de suspensão dos membros do Comitê de Gestão, Matheus Rodrigues e Pedro Doria, por conta dos 20 dias de “gancho” dados pelo STJD à dupla, por conta da notificação dada pelo árbitro Wilton Pereira Sampaio, que alegou que ambos invadiram o gramado da Vila Belmiro no intervalo da derrota do Peixe por 1 a 0 para o Flamengo, pela sexta rodada do Brasileirão, no dia 30 de agosto, proferindo ofensas à equipe de arbitragem.

Autor do documento, o conselheiro Diego Turato classificou a medida como “Defesa da Ética e Moral do Santos FC”.

– Apresentei hoje no Conselho Deliberativo do Santos FC um requerimento pedindo punição a dirigentes que estão prejudicando o Santos FC. Não quero com este procedimento defender o árbitro de futebol. Entendo que faltou postura aos dirigentes ao invadir o gramado. Esta não é a conduta adequada. O certo é que os dirigentes tenham força política na CBF e na FPF e façam as suas reclamações por lá, sem o expor o clube ao vexame, como fizeram – escreveu através das suas redes sociais.

O documento foi protocolado pelo conselheiro Diego Turato praticamente no mesmo momento em que também foi homologado no Conselho Deliberativo uma outra solicitação de suspensão, esta direcionada apenas a Matheus, pelo também opositor Wiber Gadi , que questiona a ausência do pedido de afastamento de Rodrigues em seu cargo de gestão, para concorrer ao cargo de vereador na cidade de Bertioga.

Defesas de Matheus e Pedro

Ao “UOL Esporte”, Matheus Rodrigues e Pedro Doria, se defenderam tanto do requerimento, quanto das acusações sobre invasão do gramado contra o Fla.

– É uma tentativa infrutífera de nos atacar, de nos atrapalhar. Não cometemos nenhum ato que puna o clube. Fizemos uma crítica a uma situação que ocorreu e foi ridícula. Tivemos uma interferência muito grande do VAR, decisões equivocados no nosso julgar, e nós como somos dirigentes do clube e chefes de delegação tínhamos total acesso e credenciamento para estar dentro do gramado – disse Pedro Doria.

– Antes dos jogos somos responsáveis por fazer a vistoria junto aos delegados da partida. Nossa pena foi em função da nossa manifestação de forma negativa, sem precisar quem fez a manifestação. E isso foi defendo os interesses do clube – completou o gestor.

– Não houve invasão, palavrão ou ofensa. Não houve ofensa. Com credencial, fomos apenas cobrar a questão do critério dos lances aplicados naquele jogo. Cabe à CBF, através do STJD, julgar. Isso já foi feito e estamos cumprindo a pena – afirmou Matheus Rodrigues.

Matheus e Pedro são os membros do Comitê Gestor mais próximos ao presidente José Carlos Peres e participativos de forma ativa na gestão, atuando juntamente ao Departamento de Futebol do clube e referente aos assuntos administrativos do Alvinegro Praiano.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários