Tamanho do texto

Especialista explica como o pôquer consegue dar mais dinheiro que o esporte bretão; Victor Marques passa a escrever regularmente para o iG

Esqueça o futebol, seus craques regiamente pagos, estádios lotados, fãs uniformizados e as transmissões dos jogos pela TV. O evento esportivo que mais distribui prêmios no Brasil não é o Campeonato Brasileiro do esporte bretão. Esse título fica com o BSOP, Brazilian Series of Poker, o "Brasileirão" do jogo de cartas mais famoso do mundo.

Na edição passada, a Série A do nosso certame nacional de futebol distribuiu R$35 milhões. No mesmo ano, a série de pôquer repartiu R$45 milhões. “Mas como é um campeonato de pôquer?”, você vai me perguntar...

Etapas do Brazilian Series of Poker reúnem milhares de participantes todos os anos
Reprodução
Etapas do Brazilian Series of Poker reúnem milhares de participantes todos os anos

O BSOP existe desde 2006, quando começou tímido com apenas 57 jogadores em São Paulo. Hoje, o número de empregos, diretos e indiretos, é muito superior a esse número. São aproximadamente 200 pessoas trabalhando para que o evento possa acontecer.

Em termos de jogadores, só na temporada passada foram 27 milinscritos para os eventos. Na sua história de 11 edições, foram 95 eventos principais, mais de R$150 milhões distribuídos em premiação e 17 foram as cidades visitadas: Porto Alegre e Novo Hamburgo(RS), Florianópolis e Balneário Camboriú (SC), Curitiba e Foz do Iguaçu(PR), São Paulo(SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Salvador e Costa do Sauípe (BA), Fortaleza (CE), Natal (RN), Goiânia e Caldas Novas (GO), Brasília (DF) e Punta del Este, no Uruguai.

Ao chegar ao salão de uma etapa do BSOP, você primeiro ouvirá a doce sinfonia das fichas, um barulho inconfundível, que se assemelha ao canto de passarinhos. Logo verá, sentados às mesas, homens, mulheres, jovens, adultos e idosos, marcando a característica democrática do Pôquer. Para distribuir as cartas e cuidar das apostas feitas com as fichas estão os dealers, profissionais capacitados e que no Brasil vivem exclusivamente de sua atuação nesse jogo.

Em São Paulo, etapa da BSOP costuma ser a que registra maior número de participantes
Carlos Monti/Pokerstars
Em São Paulo, etapa da BSOP costuma ser a que registra maior número de participantes

Ah, e esqueça ambientes escuros e enfumaçados. Um evento de pôquer é uma festa, bem iluminada e onde o cigarro está barrado. O espaço não é só para quem joga os eventos da Brazilian Series of Poker - os amigos podem ir torcer e conhecer o local dos jogos. A entrada é grátis e não faltam atrações.

Esse ano, uma marca de whisky, outra de cerveja artesanal, uma joalheria, uma marca de roupas, uma de cadeira para gamers e uma barbearia oferecem os seus serviços a todos os presentes. São os patrocinadores que, junto com um site destinado ao pôquer na internet, viabilizam o evento. Apenas maiores de 18 anos podem frequentar as instalações.

Para incentivar a presença das mulheres, existe o Ladies Event, além, é claro, da participação das damas de ouros em todos os eventos da série. Segundo Devanir Campos, diretor-geral do BSOP, o contingente feminino segue os padrões internacionais.

Onde acompanhar

Num país onde o pôquer pegou carona nas transmissões da ESPN, tempos atrás, o BSOP não poderia ficar de fora da telinha. O site superpoker.com.br transmite ao vivo todas as etapas da série, que tem programas dedicados a ela no canal Bandsports. Além disso, quem se interessa pelo jogo está sempre bem servido na TV. ESPN e Esporte Interativo dedicam horários da sua programação ao jogo. Vale lembrar que temos três campeões mundiais, Alexandre Gomes, André Akkari e Thiago Decano e que expertises jurídicas e o Ministério dos Esportes já atestaram que o pôquer não é um jogo de azar e sim de habilidade.

Se você ainda não jogou pôquer, não sentiu o gostinho de anunciar “all-in”, movendo todas as suas fichas, tenho certeza que um amigo próximo já o fez. O jogo, como disse, é democrático, inclui homens, mulheres, gordos, magros, deficientes, idosos, gregos, troianos, gente da guerra, gente da paz, e conquista diariamente adeptos mundo afora. Aqui no Brasil estamos muito bem representados por jogadores, dirigentes e, claro, um Campeonato Nacional fantástico.

*Victor Marques, o Vitão, é ex-jogador profissional de poker, narrador, repórter e blogueiro do Superpoker e do Bandsports.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.